Cirurgia de idoso com câncer já foi adiada 8 vezes, diz família

Procedimento estava marcado para o dia 19 de novembro
Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Um idoso de 62 anos vive momentos de angústia no Hospital de Clínicas Alberto Lima. Raimundo de Sousa da Silva espera há 18 dias por uma cirurgia no estômago. Ele tem câncer e, segundo a família, o procedimento cirúrgico já foi cancelado 8 vezes, sempre por um problema diferente.

“Todos os dias meu pai sobe para a sala de cirurgia e sempre acaba descendo porque não tem leito pra internar ele. Hoje aconteceu de novo e já remarcaram outra vez, agora para segunda-feira”, disse Gabriela Mendes Silva Dias, de 30 anos, filha do idoso.

Seu Raimundo descobriu que está com câncer há cinco meses. Após vários exames, o diagnóstico chegou e o medico marcou a cirurgia para o dia 19 de novembro, um dia depois da internação.

Cancelamentos se dão por conta da falta de leitos, diz hospital Fotos: André Silva

A filha do idoso contou que ele era um homem muito ativo, mas tudo mudou há pouco mais de oito anos com a descoberta da primeira doença, o diabetes.

“Depois que ele descobriu que estava com diabetes ficou muito triste. Ficou com dificuldade de trabalhar e não conseguiu mais emprego fixo. Ele fazia bico de pedreiro, mas trabalho fixo ele nunca mais teve”, lembrou a filha.

Ela chegou a procurar a direção do hospital por três vezes e a resposta sempre é a mesma, de que não tem leito e que o único que tem não possui os equipamentos necessários para garantir a saúde e a vida do idoso.

“Fui na secretaria de saúde, fiz uma reclamação e falei o que estava acontecendo. O rapaz que me atendeu me falou pra levar meu pai para morrer em casa porque já haviam ido muitas pessoas lá para fazer a mesma reclamação e nunca conseguiram resolver”, desabafou a moça.

Família decidiu fazer denúncia no MP sobre a demora para o tratamento do idoso. Foto: Arquivo

Além da falta de leito, a filha denuncia também que não há medicamentos para pacientes de câncer e nem materiais para administração de medicamentos, como escalpe. Ela disse também que já registrou denúncia no Ministério Público (MP), na tentativa de conseguir ajudar o pai que sofre com dores e febre diariamente.

A reportagem procurou a direção do Hcal, mas não obteve retorno. A Secretaria de Saúde do Estado ficou de se pronunciar sobre a situação nesta sexta-feira (06).

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!