Microempresário que matou estudante de enfermagem diz que foi um acidente

Uesclei Pereira acusou Gibson Farias de ter furtado um celular da casa dele. Polícia duvida da versão
Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

O acusado de matar um estudante de enfermagem na manhã da segunda-feira (7), durante uma briga no Centro de Macapá, alegou que a morte foi uma fatalidade. O microempresário Uesclei Maia Pereira, de 31 anos, alegou que o homicídio, na verdade, teria sido um acidente.

A prisão ocorreu em flagrante logo após o crime. Durante depoimento na Delegacia de Homicídios (Decipe), ele acusou o estudante de enfermagem Gibson Farias Dias, de 26 anos, de ter furtado um celular da residência dele. Os dois estavam bebendo juntos desde a noite de domingo.

Uesclei Pereira disse que sentiu falta do celular quando se recolheu para dormir, e a esposa teria informado que o estudante teria entrado no imóvel e apanhado o aparelho.

O acusado alega que a briga começou quando questionou o estudante sobre o celular.

“Ele foi querer se alterar comigo porque era maior e mais forte. Nessa discussão eu apanhei e revidei. No momento oportuno pulei em cima dele para neutralizar. Foi quando caí por cima dele com o mata-leão e aconteceu essa fatalidade”, disse ao Portal SN. A defesa não permitiu fotos frontais do acusado.

Quando PM chegou ao local, vítima ainda estava no mata-leão do acusado, mas já morta. Fotos: Olho de Boto

Gibson Dias estava imobilizado e desacordado quando os policiais militares, acionados por moradores, chegaram ao local, na Avenida Ataíde Teive, no cruzamento com a Rua Jovino Dinoá. Eram quase 6h. O Samu constatou que o rapaz imobilizado já estava morto. Havia muitos ferimentos no rosto dele.

Inverso

O delegado Wellington Ferraz, que investiga o caso, encontrou falhas na versão apresentada pelo acusado. A principal contradição foi o fato de o celular do infrator ter sido localizado, mas o da vítima desapareceu.

“Esse celular (supostamente furtado) não foi encontrado com a vítima, foi encontrado nas proximidades do imóvel. A esposa compartilhou essa desconfiança com ele. Houve discussão, e na briga matou o rapaz”, relatou o delegado.

“Na verdade, na prática, há uma inversão, já que o celular da vítima é que não foi encontrado. Desapareceu. Isso não quer dizer que o infrator tenha levado, mas outras pessoas que estavam próximas, sim”, frisou o delegado. Imagens de câmeras da vizinhança poderão ajudar a esclarecer esse fato.

Microempresário foi encaminhado para audiência de custódia

Delegado Wellington Ferraz: versão com falhas

Uesclei Pereira alegou que possui uma pequena oficina de manutenção em injeção eletrônica de veículos. A polícia confirmou que ele nunca se envolveu com crimes.

“Mas é uma pessoa que costuma de alterar quando bebe. A própria esposa relata. (…) É uma pessoa que não é envolvida com crimes, mas se excedeu numa noite que culminou com a morte da vítima”, concluiu o delegado.

O acusado foi encaminhado para audiência de custódia na manhã desta terça-feira (8). 

 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.