Davi neutraliza manobra de grupo de Renan e vai presidir sessões

Como membro da mesa anterior, Davi é o presidente em exercício do Senado, e precisou revogar um edital publicado em cima da hora
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

A sexta-feira (1º) amanheceu tumultuada no Senado. O presidente em exercício da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), conseguiu neutralizar uma manobra do grupo de Renan Calheiros (MDB-AL) que pretendia afastá-lo da condução das sessões de hoje, entre elas a que fará a eleição da nova mesa diretora. A sessão está marcada para iniciar às 18h.

A crise começou quando o secretário geral da mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Melo Filho, servidor do Senado supostamente ligado ao MDB, publicou edital no Diário Oficial da União divulgando os roteiros das reuniões preparatórias que não incluíam Davi Alcolumbre como o presidente em exercício.

Pelo Regimento Interno, tanto a posse quanto a eleição da mesa precisam ser conduzidas pelos integrantes da mesa anterior, da qual Davi é o último remanescente já que o restante dos senadores não conseguiu a reeleição em outubro passado. O grupo de Renan, candidato oficial do MDB, defende que o senador mais antigo, José Maranhão (MDB-PB), com 85 anos, conduza o pleito.

Davi agiu rápido após a manobra desta sexa. Ele é o presidente em exercício porque ocupava a 4º suplência da mesa anterior. Logo após a publicação, ele baixou uma portaria dispensando Luiz Bandeira da função de secretário geral, e assinou ato revogando o edital.

Renan Calheiros tenta o quarto mandato como presidente do Senado. Foto: Agência Senado

O ato assinado por Davi Alcolumbre ainda deixou claro que a cada início de sessão, e serão duas, ele colocará em votação quais serão os ritos a serem seguidos.

Nesse contexto, ele pretende consultar o plenário sobre o voto, se será aberto ou secreto, e se os demais senadores concordam que ele conduza os trabalhos mesmo na condição de candidato à presidência.

Outra proposta que Davi pretende submeter ao plenário é a possibilidade de realização de um segundo turno entre os dois mais votados, em caso de nenhum dos dois conseguir maioria absoluta. O Senado tem 81 integrantes, e nunca, em sua história, elegeu um presidente com menos de 40 votos. 

Além de Davi Alcolumbre e Renan Calheiros, mais seis senadores lançaram candidaturas pulverizando votos que poderão ser decisivos na disputa entre os dois primeiros que polarizam a eleição. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.