“Se tivesse ouvido minha mãe não teria 2 filhos”, diz jovem em seminário

Amapá é um dos estados que têm maior proporção de bebês nascidos de mães com menos de 19 anos
Compartilhamentos

Por RODRIGO INDINHO

Milena Albuquerque, de 19 anos, tem dois filhos, um de 1,6 ano e outro de 4 meses. Ela lembra que recebia conselhos da mãe, mas mesmo assim, engravidou a primeira vez aos 17 anos por descuido, e na segunda vez, aos 18 anos, também.

“Não era o plano da minha vida engravidar cedo, e sim estudar e ter meu próprio sustento. Tive muitos conselhos principalmente da minha mãe e por descuido eu a decepcionei. Hoje sou casada com o pai do meu segundo filho, o pai do primeiro sumiu. Sei que filho é bênção e eu amo meus dois, mas se pudesse faria diferente. Se tivesse ouvido minha mãe não teria dois filhos. Não sou a melhor pessoa para aconselhar, mas aos jovens de hoje peço que se cuidem”, comentou.

Durante as ações referentes à “Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência”, vários jovens, adultos e mães com bebês de colo participaram de um seminário realizado nesta sexta-feira (1), no auditório do Senac, área central de Macapá.

A programação atende às recomendações da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), sancionada no início de janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro, que determina que devem ser realizadas ações que passarão a ocorrer na semana do dia 1° de fevereiro de cada ano.

Seminário ocorreu no Centro de Macapá Fotos: Rodrigo Indinho/SN

O Amapá é um dos estados que têm maior proporção de bebês nascidos de mães com menos de 19 anos – um em cada quatro. Enquanto o país registra 0,88% das crianças nascidas de mães com menos de 15 anos, o Estado tem proporção de 1,37%.

Rosiane Pereira (enfermeira): orientações a adolescentes

Segundo a palestrante Rosiane Pereira, enfermeira especialista em saúde pública, o seminário abordou temas relacionados a métodos contraceptivos, medidas educacionais, as responsabilidades, tanto das mães adolescentes quanto dos pais, além de outros assuntos relevantes ao tema.

“O principal objetivo é trazer a luz ao adolescente e fazer com que esse jovem tenha o entendimento que ele pode, deve e tem o direito de procurar o serviço de saúde e ser orientado. As ações servem justamente para passar essas informações”, destacou Rosiane.

Milena Albuquerque: gravidez não foi planejada

Durante o encontro foi debatida a educação das crianças e adolescentes nas escolas e com os pais.

Thierry Amaral: conhecimento para prevenção

Além das meninas, os meninos também tem papel fundamental neste aprendizado. E foi em busca de mais conhecimento que Thierry Amaral, de 18 anos, participou do seminário.

“Namoro há 7 meses, não tenho filhos, mas tenho amigos que tem. Segundo relatos deles não é uma vida fácil. Com isso busco tomar todos os cuidados, conversar e aprender para não ser pai antes de ter um futuro garantido. Também é preciso evitar doenças. Por isso vim para essa ação”, disse Thierry.

Autoridades participam do seminário

No próximo sábado, 2, a programação continua através de uma ação socioeducativa que acontecerá num shopping na Rua Leopoldo Machado, no Bairro do Trem, das 10h às 20h. Serão distribuídos preservativos, a cartilha do adolescente e orientações para conscientização da gravidez na adolescência e sexualidade.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.