Após “atualização”, Facebook volta à normalidade; entenda o que houve

A maioria dos usuários não conseguiu criar postagens e nem fazer comentários. WhastApp e Instagram também foram afetados
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

A maior parte dos 400 mil usuários do Facebook no Amapá não entendiam o que estava acontecendo, na última quarta-feira (13), quando foi quase impossível realizar postagens na rede social mais popular do mundo. O problema também limitou o uso do WhatsApp e do Instagram.

A pane começou às 13h da quarta-feira. O Facebook informou, por meio de mensagens automáticas, que estava realizando manutenção em alguns bancos de dados onde estavam hospedados os perfis de milhões de usuários em várias partes do mundo. O Brasil foi um dos países atingidos.

“Não chegou a ser um apagão. Algumas pessoas não conseguiram entrar no perfil, e outras não conseguiam escrever comentários em postagens. Outras pessoas não conseguiam acessar serviços do Google estando logados no Facebook. Isso funciona por aplicativos que não estavam funcionando. O gerenciador de link patrocinado só voltou a funcionar ontem (14)”, comentou Luciano Bruno, da TOT Marketing Digital, empresa do Amapá especializada gerenciamento de conteúdo em redes sociais.

Mensagem para quem tentou fazer postagens na quarta-feira (13)

Luciano Bruno, da TOT Marketing: Facebook não informou quantos usuários foram atingidos

O problema atingiu o WhatsApp, onde não era possível enviar arquivos de áudios, por exemplo, e também o Instagram. As duas redes sociais pertencem ao Facebook.

“O Facebook mundial informou que fez uma atualização de servidores, e quando isso acontece afeta todos os produtos do Facebook. A maioria dos países foi atingida, e não conseguiram determinar quantas pessoas foram atingidas”, acrescentou Luciano Bruno.

No ano passado, houve duas ocorrências parecidas. Contudo, o bug de quarta-feira incentivou o surgimento das mais diversas teorias da conspiração.

Houve quem disse, por exemplo, que o governo brasileiro teria sabotado o Facebook para reduzir a repercussão na comunidade internacional do massacre na escola de Suzano, em São Paulo.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.