Pornografia infantil: servidor público no Amapá armazenava mais de 50 vídeos

Servidor também compartilhava conteúdo com crianças entre 6 e 10 anos
Compartilhamentos

Por DA REDAÇÃO

Um servidor público do Estado do Amapá, de 23 anos, que não teve a identidade revelada, foi condenado pela Justiça Federal por armazenar e compartilhar pornografia infantil. A pena é de 5 anos de reclusão, em regime semiaberto, e pagamento de R$ 50 mil em multa.

A condenação foi publicada no fim de fevereiro e divulgada nesta quarta-feita (13) pelo Ministério Público Federal (MPF), que havia judicializado o caso em 2017, após o servidor ter sido preso em flagrante, um ano antes. 

No computador do servidor público, a Polícia Federal identificou cerca de 50 arquivos de vídeo, em 9 GB de dados, contendo abuso sexual infantil. A maioria dos casos eram crianças do sexo feminino, na faixa etária de 6 a 10 anos.

Segundo o MPF, o laudo pericial concluiu que o material pedófilo-pornográfico, que trazia no título a descrição do conteúdo e a indicação da idade das crianças, era armazenado e compartilhado pelo réu por meio da internet. Os vídeos foram acessados diversas vezes.

O material apreendido deverá ser destruído, por determinação da Justiça Federal. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.