Mototaxista clandestino acusado de estuprar passageira vai para o Iapen

O motoqueiro ainda tentou fugir da polícia com a vítima na garupa, mas foi alcançado pelos militares do 2º Batalhão
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Já está no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) o mototaxista acusado de estuprar uma passageira na zona norte de Macapá. Fábio Ricardo Freitas da Silva, de 29 anos, foi preso em flagrante na manhã de segunda-feira (8), na Rodovia Norte Sul, por uma equipe do 2º Batalhão da Polícia Militar.

De acordo com o cabo Portela, que comandava a guarnição responsável pela prisão do mototaxista, a manhã estava calma e os militares decidiram, então, patrulhar a Norte Sul – via que ainda não está oficialmente liberada para fluxo. Como conhecem bem a região, começaram a entrar nos ramais em meio ao matagal. Em um deles, avistaram o mototáxi saindo do mato com a passageira.

“De qualquer forma, nós já íamos fazer a abordagem. Mas, quando percebeu a nossa presença, a mulher começou a acenar com os braços, logo entendemos que era um pedido de socorro. Ele [o condutor da moto] ainda tentou empreender fuga na motocicleta, porém, foi interceptado pela equipe”, contou o cabo Portela.

Mototaxista desviou rota da corrida, levando vítima para a rodovia. Foto: André Silva/arquivo SN

Ao descer da moto, a mulher, que tem 27 anos, começou a chorar e contou aos militares que havia sito estuprada pelo motoqueiro. A vítima relatou que havia pego o mototáxi no Infraero I, por volta de 6h15, mesmo bairro onde reside o acusado. Ela iria até um endereço na entrada da rodovia Norte Sul. Porém, ao se aproximar, o mototaxista entrou na rodovia, segundo o relato da vítima à PM.

“Ela contou que a levou até a área de mata e, por meio de violência física e ameaças, ele é mais forte que ela, e, assim, consumou o ato sexual. Ela não teve chance de defesa”, comentou o cabo Portela.

Fábio Ricardo foi apresentado na Delegacia Especializada de Crimes Contra a Mulher (DECCM). Exames de corpo de delito comprovaram o estupro e outras agressões físicas.

Foto: Divulgação/PM

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.