Com alagamentos e quedas de árvores, prefeitura mobiliza equipe de crise

Três árvores caíram na zona sul, Centro e Bairro do Trem
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

A capital do Amapá voltou a sentir as consequências de uma chuva forte, e prolongada, somada à maré alta do Rio Amazonas, na manhã desta sexta-feira (10). Alguns canais transbordaram. Em Macapá, a região central e o Bairro Santa Rita foram os mais atingidos por alagamentos.

Em Macapá, a prefeitura registrou três quedas de árvores no Conjunto Laurindo Banha, no Bairro Novo Buritizal; e na Rua General Rondon, no Centro e Bairro do Trem, próximo da Praça Floriano Peixoto.

Já a Defesa Civil Estadual informou que está recebendo pedidos de famílias e de comerciantes que tiveram imóveis alagados. Não há casos de desabrigados.

“Trechos entre a (Avenida) Padre Júlio e a (Avenida) Presidente Vargas, Avenida Jovino (Dinoá) e (Rua) Eliezer Levy foram os mais afetados. Em Santana também há ocorrências. Estamos em contato com a prefeitura de Macapá e com Santana para ver onde podemos ajudar. Mas em Macapá está tranquilo porque a prefeitura já tem um plano de atendimento”, comentou o coronel Janary Nunes. Ainda não foram registrados casos de famílias desalojadas.

Desde as primeiras horas da manhã, a prefeitura de Macapá reuniu as principais secretarias ligadas à infraestrutura da cidade, como a de Obras, Limpeza, e Iluminação Pública, além da Guarda e Defesa Civil.

Motociclista observa alagamento na Avenida Desidério Coelho. Fotos: Olho de Boto e Rodrigo Indinho

Rua General Osório

Avenida Cora de Carvalho: galeria inundada pelo rio não permitiu escoamento da água da chuva

Odilardo Silva com Padre Júlio

“Estamos monitorando. Onde caíram árvores, por exemplo, mandamos equipes para cortar. Estamos realizando desobstrução com um caminhão hidrojato, capaz de fazer 7 a 9 desobstruções por dia. Aqui (na sala de crise) recebemos as informações e coordenamos as ações”, explicou o secretário de Obras, David Colvre.

Cora de Carvalho

A Avenida Cora de Carvalho, no Centro, voltou a ficar alagada, mesmo tendo passado por serviços da prefeitura há pouco mais de dois meses.

“Essa galeria tem mais de 30 anos, e rebaixou até o nível do canal. Com a maré alta a galeria já alaga, e quando vem a chuva junto a galeria não escoa porque está inundada”, explicou.

Gabinete de crise da prefeitura

Equipe da prefeitura corta árvore no Conjunto Laurindo Banha. Fotos: PMM/Divulgação

De acordo com o secretário, o serviço feito no local vai permitir que a água escoe mais rapidamente. A previsão é de que até as 10h a água tenha recuado completamente.

Colvre informou que em agosto a prefeitura vai começar a construção de uma nova galeria na Cora de Carvalho, que deve resolver o problema em definitivo.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!