Por desobediência, desembargador manda bloquear R$ 1,2 milhão do Sinsepeap

Categoria reavaliará a greve na próxima segunda-feira (10)
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

O desembargador Rommel Araújo, do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), determinou o bloqueio de R$ 1,2 milhão nas contas do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Estado (Sinsepeap), entidade que comanda a greve dos professores. Na próxima segunda-feira (10), a categoria decidirá se continuará de braços cruzados. 

A paralisação começou no dia 15 de maio, quando os professores aderiram a um movimento nacional. No entanto, no dia 17, eles decidiram transformar a paralisação em greve de duas semanas a partir do dia 20. 

Os professores alegam perdas salariais nos últimos anos e falta de diálogo específico entre a categoria e o governo. O governo diz que tem conversado com os sindicalistas, por isso, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) ingressou com a ação arguindo a ilegalidade da greve.

No dia 24 de maio, o desembargador concedeu a liminar suspendendo o movimento, mas a greve continuou após decisão da categoria no dia 27.

Ontem (7), Rommel Araújo considerou que a desobediência à liminar é um grave desrespeito às estruturas do Poder Judiciário.

“Contra as ilegalidades ou os excessos eventualmente existentes nas medidas judiciais, há os meios próprios e adequados de impugnação, nunca o puro e simples desrespeito”, resumiu. 

Greve completa 15 dias, mas, no total, paralisação começou no dia 17 de maio. Fotos: Marco Antônio

“É fato o direito de greve ser fundamental na busca de melhorias das condições remuneratórias e de trabalho. Não menos importante, também é direito do empregador ter respeitado a maneira como se dará o exercício do
movimento grevista. Sem se falar, ainda, no direito daqueles que dependem dos serviços prestados pelos profissionais que optaram pela paralisação”, acrescentou.

Ouvido pelo Portal SelesNafes.Com, o diretor do Sinsepeap, Kelson Luís Cardoso, disse que o movimento continuará, e que a entidade irá recorrer da decisão.

No entanto, ele anunciou que a categoria irá reavaliar a situação em assembleia extraordinária marcada para a próxima segunda-feira (10), às 9h, em local ainda a ser definido.

“É quando terminam os 15 dias de greve decididos na última assembleia. Hoje (sábado) teremos um Agenda do Servidor junto com outros sindicatos, mas continuamos a reivindicar uma agenda específica com a categoria”, explicou.

 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!