Ofirney cogita não concorrer à reeleição

"Propostas indecentes", conflitos e falta de dinheiro para administrar a cidade estão entre os motivos do descontentamento com a política e o cargo
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

Ofirney Sadala (PHS) não tem escondido de ninguém que está descontente com a vida de prefeito de Santana, cidade a 17 km de Macapá. Pelo menos por enquanto, a ideia dele é não concorrer à reeleição no ano que vem.

Sadala é o dono do único cartório de Santana, e ainda concorre simultaneamente em 4 concursos para tabelião nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais. Num deles, ele já passou em todas as etapas, faltando apenas a prova oral.

Antes de ser prefeito, Sadala passou em vários concursos públicos, entre eles o de juiz de direito, cargo que renunciou ao ser aprovado para tabelião e fundar o próprio cartório na cidade onde mais tarde se tornaria prefeito.

Se for aprovado de novo, agora em outro Estado, ele tem dito a amigos que não irá concorrer à renovação do mandato. Assédios, “propostas indecentes”, conflitos políticos, e falta de dinheiro para asfaltar a cidade, estão entre os motivos. O salário de R$ 12 mil, que ele considera baixo, também é outra desvantagem, tem dito.

Ofirney em papo animado com o apresentador Tio Gigante, em evento da Confederação Nacional dos Municípios nesta terça (10). Fotos: Seles Nafes

Com exceção de algumas ruas asfaltadas pelo governo do Estado entre 2017 e 2018, a cidade está tomada pela buraqueira. Nem as ruas e avenidas mais tradicionais, como a Ubaldo Figueira, escapam da penúria.

Só agora a prefeitura conseguiu recursos que totalizam R$ 50 milhões para asfalto, fruto de emendas parlamentares. As obras, que começam em agosto, deverão dar um novo fôlego político ao prefeito, que já pensa num sucessor.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!