Juíza não vê gravidade e mandar soltar taxistas que agrediram motoristas de aplicativo no Amapá

A magistrada ainda determinou que seja investigado possível abuso de autoridade policial
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

Em audiência de custódia, a juíza Michele Farias, do Núcleo de Garantias da Comarca de Santana, mandou soltar os dois taxistas presos por atacar motoristas de aplicativo no município de Santana, cidade a 17 km de Macapá. A magistrada avaliou que as agressões não foram graves o suficiente para configurar tentativa de homicídio.

As agressões ocorreram no Porto do Grego, na Área Portuária, no início da segunda-feira (16), quando um motorista da empresa Uber foi buscar um passageiro. Taxistas que viram a cena agrediram ele e outros colegas, e ainda danificaram os veículos.

Dois taxistas mais exaltados foram levados para a delegacia de polícia, onde o delegado plantonista decidiu pela prisão em flagrante por tentativa de homicídio.

“(…) Pelos depoimentos colhidos no auto de comunicação, não vislumbro indícios da prática do grave crime de tentativa de homicídio atribuído aos conduzidos. Em verdade, as evidências mostram a ocorrência de possíveis crimes de ameaça, vias de fato, dano, ou rixa entre os envolvidos”, comentou Michele Farias, em sua decisão.

Motoristas de aplicativo fizeram protesto em frente à delegacia para onde os taxistas foram levados. Fotos: Rodrigo Índio

Ainda segundo a juíza, a prisão foi desproporcional. Por isso, ela ainda determinou o encaminhamento dos autos para a Corregedoria da Polícia Civil, para que seja apurado um possível ato de abuso de autoridade policial.

Os motoristas de aplicativo, no entanto, fizeram um protesto ontem, horas depois das agressões. Eles afirmaram que uma tragédia poderia ter ocorrido, especialmente porque uma das passageiras do Uber era uma criança.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!