Crianças agradecem seus heróis: os doadores de sangue

Programação ocorreu no Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá, no Centro de Macapá.
Compartilhamentos

Por RODRIGO ÍNDIO

Crianças portadoras de anemia falciforme, hemofílicas e com outras patologias relacionadas ao sangue tiraram a manhã desta sexta-feira (11) para agradecer os doadores de sangue do Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap). O encontro foi emocionalmente.

Os pequenos que passam por tratamento na unidade de saúde tiveram um dia diferenciado. Eles participaram de uma programação para celebrar o Dia das Crianças que contou com show da “Turminha do Bairro”, pintura facial, oficinas de origami e “hemotur kids”.

Programação com Turminha do Bairro ocorreu na sede do Hemoap. Fotos: Rodrigo Índio/SN

Durante o passeio pelos setores da unidade, as crianças conheceram o processo do ciclo do sangue, desde o momento da doação até o armazenamento das bolsas no estoque. Quando a criançada entrou na sala de coleta para agradecer, a doadora Larissa Monteiro Maduro, de 22 anos, não conteve a emoção.

“Me emociono porque um simples gesto pode salvar a vida deles que precisam muito de doações, tenho uma filha de 3 anos e sempre carrego comigo que eu também um dia posso precisar. Quando vi o agradecimento não me contive. Estou super feliz”, contou a autônoma.

Larissa Monteiro: “Quando vi o agradecimento não me contive”

Cayo Diogo, de 9 anos, têm anemia falciforme [Má formação nos glóbulos vermelhos] e precisa tomar os remédios hydreia e ácido fólico para não ter crises de dor em todo corpo, que é algo apavorante segundo sua família. Seu sangue é raro, AB+, e ele realiza há seis anos o acompanhamento médico.

Em seu caso só é necessário transfusão de sangue se houver crises devido à falta de remédio. Porém, existem casos de pacientes que necessitam da transfusão todo o mês porque têm doenças agregadas.

Cleide e Cayo com a Turma do Bairro

A mãe de Cayo, Cleide da Silva, de 36 anos, diz que para esses meninos e meninas manter a vida é o maior presente no dia das crianças.

“Não só meu filho, mas todas as crianças aqui se sentem amadas e amparadas pelas pessoas, não são discriminadas. Essa doença, se a gente não cuida, a criança não passa de 5 anos e a estimativa de vida deles é de até 49 anos, então precisamos sempre do apoio da sociedade e também de mais respeito”, comentou Cleide.

Criançada se divertiu…

… com a programação especial

A biomédica, Hellen Bitencourt, trabalha no hemocentro e sabe da importância do doador comparecer para ajudar a quem precisa. Ela já teve um caso como este na família.

“Tive uma experiência de vida com o meu filho que vai completar um ano, ele precisou de muita transfusão e, graças a esses heróis voluntários, ele ficou saudável. Fazer essa ponte traz um enorme sentimento de gratidão pelos doadores. Trazer essas crianças aqui é tentar amenizar um pouco dessa rotina deles, que é constante aqui no nosso hemocentro e para que eles conheçam seus heróis anônimos”, ponderou a biomédica, que também chorou durante a ação.

Biolmédica Hellen Bitencourt levou as crianças para conheçerem seus heróis anônimos

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!