• arena davi (1)
    “Se já deu craque na areia, imagina agora”, diz ex-jogador sobre a nova…
  • WhatsApp Image 2023-01-08 at 14.08.14
    Roberto Dinamite, o gênio de calção e chuteira
  • goleada santana (1)
    Santana sofre super goleada na estreia da Copa São Paulo de Futebol Júnior
  • Michele flamenguista (2)
    Paciente de esclerose múltipla ganha passagem e ingresso para assistir…
  • ' />

    O amapaense que enfrentou Maradona

    Aldo Silva do Espírito Santo é um dos maiores craques do futebol do Amapá.
    Compartilhamentos

    Por MARCO ANTÔNIO P. COSTA

    Aldo Silva do Espírito Santo é um grande craque do futebol amapaense. Um dos maiores. Mas há uma história pouco conhecida do grande público. O “caçador de urubu”, apelido que recebeu por suas vitórias com o Fluminense em cima do Flamengo, também enfrentou nada mais, nada menos, que supercraque Diego Maradona, o deus argentino, que nos deixou poucos dias atrás.

    Em 1984, Maradona estava fazendo seu jogo de despedida pelo Barcelona. Foto: Divulgação

    No jogo contra Maradona, Aldo foi grande. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

    Maradona estava fazendo seu jogo de despedida pelo Barcelona. A passagem do “El Pibe” pelo time catalão não foi das melhores, mas mesmo assim, todos já sabiam à época que se tratava do maior craque daquela geração.

    O jogo ocorreu em Nova Iorque, no Giant Stadium, pelo Torneio Transatlântico de 1984, na época em que o Cosmos montava times com jogadores de grande expressão, como Pelé. Naquele ano, o melhor time do Brasil era o Fluminense de Romerito, Assis, Washington e Aldo.

    O craque amapaense tinha e tem destaque nas Laranjeiras. Há legiões inteiras de tricolores espalhados pelo país que se emocionam ao se lembrar dos lances dele.

    O torneio contava com quatro times: o anfitrião Cosmos, a italiana Udinese, o Fluminense e o Barcelona. O primeiro jogo o tricolor perdeu para a Udinese, e foi decidir o terceiro lugar com o time de Maradona.

    O craque amapaense tinha e tem destaque nas Laranjeiras. Fotos: Marco Antônio P. Costa/SN

    Há legiões inteiras de tricolores espalhados pelo país que se emocionam ao se lembrar dos lances dele

    “Ele já era craque, perigoso. Pelo jeito que ele ia, a gente sabia que ele seria o melhor do mundo. Por exemplo, o passe que ele deu para o segundo gol do Barcelona é coisa de gênio”, contou o craque amapaense.

    Além disso, dois anos antes do icônico gol “La mano de Dios”, na copa de 1986, no jogo contra a Inglaterra, Maradona também meteu a mão na bola em um dos gols contra o Fluminense. Desta vez, porém, o gol foi corretamente anulado.

    Já Aldo, não foi discreto na partida. Ao contrário. Os dois gols do Fluminense saíram de cruzamentos seus. O lateral direito parecia cruzar com as mãos, de tão exato que seus passes eram.

    Um dos cruzamentos mais famosos foi num Fla x Flu do mesmo ano, quando colocou a bola na cabeça de Assis que, sozinho, subiu para marcar um a zero em cima do Flamengo e ganhar o título carioca de 1984.

    Aldo: “Ser do Norte e chegar lá pra ser reserva? Não! Queria ser titular e sempre lutei por isso”

    No jogo contra Maradona, Aldo foi grande. O Fluminense abriu com Paulinho, de cabeça, e fez o segundo com Romerito. Aliás, parte da torcida do tricolor das laranjeiras considera este um grande duelo, Maradona e Romerito. Mas todos, inclusive memorialistas de futebol, atribuem a Aldo uma grande atuação.

    Sem chuteiras

    O jogo era veloz, uma característica dos dois times. Mas o Fluminense tinha dois problemas. O primeiro eram os desfalques. Quatro jogadores do Fluminense, incluindo o artilheiro Assis, estavam na seleção brasileira. O segundo, era um problema mais excêntrico, por assim dizer.

    “O problema lá em Nova Iorque, muitos não sabem, mas o campo era sintético e nós fomos de chuteira.  O Carlos Alberto Torres [capitão do tri e técnico do Fluminense], que arrumou com o Beckenbauer uns tênis pra gente jogar. Até o nome do tênis era dele: Tênis Beckenbauer”, relembrou Aldo. 

    Humilde e aplicado, ele falou sobre si.

    Aldo ficou contente ao poder contar a história do dia em que enfrentou, jogando muito bem, um dos maiores jogadores da história do futebol mundial

    “A gente aprendeu a chutar umas bolinhas, a fazer uns cruzamentos, né? Eu sempre corri, em 10 segundos eu fazia 100 metros, eu era veloz. Eu buscava a velocidade, principalmente no segundo tempo, porque eu tinha um bom preparo físico. Eu treinava demais e me resguardava muito, para poder me apresentar bem. Ser do Norte e chegar lá pra ser reserva? Não! Queria ser titular e sempre lutei por isso”, contou Aldo.

    A partida acabou empatada em dois a dois e, nos pênaltis, o time de Maradona levou a melhor. ‘Dieguito’ seguiu para o Napoli, da Itália, onde é tido um como rei e dois anos depois se consagraria ao dirigir a campanha argentina na copa do mundo do México de 1986.

    Aldo ainda passou por outros times, como o Vitória da Bahia. Mas em seu coração a fase no tricolor carioca tem um lugar especial.

    Ao lembrar do irmão, o craque amapaense Bira, emocionou-se e chorou. Contou como o irmão é amado no Pará e que aqui em sua terra, o reconhecimento era pequeno.

    Mesmo com a emoção, ficou contente de poder contar essa história, do dia em que enfrentou, jogando muito bem, um dos maiores jogadores da história do futebol mundial.

    Seles Nafes
    Compartilhamentos
    Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
    error: Conteúdo Protegido!!