• Karlyson Rebolça
    Por fraude na cota de gênero, Karlyson perde o mandato de vereador
  • tre-1
    TRE do Amapá usa todo efetivo para atender eleitores
  • alap
    Mesmo sem participação, deputados podem ‘pagar o pato’ por suposta fraude do PTC
  • ' />

    Lages defende mais candidaturas femininas e prevê eleição difícil em 2024

    O presidente do TRE sugeriu um pacto com a imprensa para combater a desinformação que poderá ser auxiliar pela inteligência artificial
    Compartilhamentos

    Por SELES NAFES

    O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP), desembargador João Lages, defendeu nesta terça-feira (12), durante um encontro com jornalistas de vários meios de comunicação, a efetivação de mais candidaturas femininas. Ele também revelou esperar uma eleição difícil no ano que vem, e fez alertas sobre as fake news mais convincentes, graças ao auxílio da inteligência artificial.

    Lages iniciou o encontro, batizado de “Circuito Eleitoral”, com um balanço do caminho que foi pavimentado pela corte até o prêmio Diamante do CNJ, como 2º melhor tribunal eleitoral do Brasil. O título foi anunciado na semana passada, em Salvador (BA).

    Segundo ele, a modernização dos processos, equipe qualificada e celeridade para julgar ações eleitorais, até 30 por sessão, ajudaram a posicionar o tribunal amapaense no topo do ranking do conselho, três depois de amargar o penúltimo lugar.

    O desembargador também falou sobre os trabalhos itinerantes da justiça eleitoral no interior do Amapá, com pequenos cursos sobre cidadania e sobre mulheres na política. O objetivo tem sido orientar sobre as regras do processo eleitoral, sobretudo para pessoas que querem participar do pleito, o que pode reduzir a chance de problemas judiciais como prestação de contas, por exemplo.

    “Imagina a pessoa ser escolhida em convenção, ser eleita, mas perder o diploma porque não prestou contas”, comentou.

    “Precisamos cobrar mais participação feminina na política, que elas concorram não apenas na cota de 30% por partido, mas que também tenham dinheiro para a campanha e o chamado ‘direito de antena’, que é o espaço nos programas eleitorais”, acrescentou.

    João Lages fez balanço e falou sobre planejamento para as eleições de 2024. Fotos: Seles Nafes

    Eleição difícil

    Por conta do tamanho dos grupos políticos envolvidos na eleição do ano que vem, o desembargador João Lages prevê que a eleição será difícil, especialmente em função das fake news com uso da inteligência artificial.

    Essa tecnologia, por exemplo, facilita a criação de vídeos de pessoas falando algo que nunca disseram, o que pode induzir muitos eleitores a erro na hora do voto.

    Lages relembrou eleições em que a justiça eleitoral precisou agir com a ajuda da imprensa para desmentir notícias que estavam influenciando eleitores durante a votação.

    Ele adiantou que a equipe do TRE está preparada para combater a fake news, e sugeriu um pacto entre a justiça eleitoral e a imprensa para combater a desinformação, colocando à disposição dos jornalistas vários canais de diálogo.

    Seles Nafes
    Compartilhamentos
    Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
    error: Conteúdo Protegido!!