Compartilhamentos

SELES NAFES

A história do ganhador da loteria que anda pelas ruas de Macapá vendendo bilhetes de sorteios da Caixa, publicada há quase 2 anos no site SELESNAFES.COM, continua gerando comentários até hoje. Alguns de espanto pelo relato, mas outros de intolerância, infelizmente.

Só que um dos comentários é um desabafo emocionante, e ao mesmo tempo indignado, de um dos filhos de Jesus, o personagem central da reportagem “Fui besta de mais”, diz ex-ganhador da loteria.

A reportagem narrou a incrível trajetória de Jesus Silva Fonseca, hoje com 69 anos, que em fevereiro de 1983 recebeu o equivalente a R$ 2 milhões. Recém-separado, ele decidiu se divertir com mulheres, fazendo festas, passeios, e até viagens com avião fretado.

Jesus, hoje com 69 anos, é um homem doente. Filho defende: gastou como queria, como qualquer um

Jesus, hoje com 69 anos, é um homem doente. Filho defende: gastou como queria, como qualquer um

Quando foi buscar o dinheiro no banco, não cedeu à orientação do gerente que aconselhou fazer uma aplicação mais segura. Preferiu encher várias caixas de dinheiro e levar tudo para casa em um táxi.

Claro que se arrependeu, como qualquer ser humano que hoje precisa andar incansavelmente pelas ruas para prover o sustento da família. Há anos ele vende bilhetes da Loteria Federal em supermercados, ruas e órgãos públicos de Macapá, o que o tornou uma das figuras mais conhecidas da capital.

Desde que tudo aconteceu, a vida não tem sido fácil para ele. Perdeu um filho que era ambulante como ele, e está cansado e doente.

Um dos filhos de Jesus, Eraldo Alexandre, resolveu escrever uma pequena carta para o site lamentando comentários maldosos e dizendo que sente orgulho do pai. Vale a pena ler.  

“Aqui escreve com orgulho um filho que o ama muito e ainda assim luta junto com esse senhor (meu pai) que algumas pessoas dizem chorar pelo leite derramado.
Acho que vocês deveriam conhecê-lo para poder julgá-lo, ou melhor, não julgá-lo, pois ninguém tem autoridade para isso, somente DEUS.

Ele era novo, não sabia ocque fazer com tanto dinheiro. Ele fez o que qualquer pessoa faria em seu lugar, gastaria o dinheiro certamente como quisesse.

Mas ele não o gastou como vocês queriam, ele gastou como ele queria, pois o dinheiro era dele, e ele fez o que quis.

Não vejo razão para que os comentários venham destratando o mesmo…

Ele tem uma longa história para contar, lamento vocês não terem tido a mesma sorte que ele, afinal ele era solteiro, não tinha filhos, nem mesmo mulher.

Hoje ele tem família, e cuido dele mais do que de mim mesmo”.

Eraldo Alexandre

Compartilhamentos