Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Policiais civis de Macapá cumpriram no início da manhã desta terça-feira, 29, mandado de prisão contra o sargento da PM que matou com um tiro um servidor da justiça no último domingo, 27, na Zona Sul de Macapá. O sargento foi preso no comando geral da Polícia Militar do Amapá, no Bairro do Beirol.

A prisão preventiva foi decretada a pedido da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) que alegou agressão e ameaça à principal testemunha do homicídio do servidor Gerson Rodrigues Martins, de 46 anos.

A decretação da prisão preventiva ocorreu na noite da segunda-feira, 28, mas os policiais estavam tendo dificuldades para encontrar o militar nos endereços informados por ele na noite do crime.

Sargento Abraão foi preso no Comando Geral da PM. Foto: Reprodução

Sargento Abraão foi preso no Comando Geral da PM. Foto: Reprodução

“Entramos em contato com os superiores dele que o apresentaram no comando geral”, informou a delegada Clívia Valente, titular da Delegacia de Crimes Contra a Mulher.

O servidor Gerson Martins foi morto com um tiro no peito por volta das 23h40min de domingo em frente à casa de uma amiga a quem tinha dado carona após um culto evangélico. O sargento Abraão Martins, lotado no Batalhão de Trânsito do Amapá (BPTran), é ex-marido da amiga que recebeu a carona. O servidor e a amiga foram surpreendidos com a chegada do sargento em outro carro. 

O militar se apresentou espontaneamente com advogado, prestou depoimento e foi liberado. Na delegacia, ele confessou que efetuou o disparo, mas alegou que pensava se tratar de um criminoso, já que os filhos teriam relatado por telefone, momentos antes, que havia um carro suspeito na frente da residência, localizada em uma área perigosa do Bairro do Buritizal. 

Gerson Martins foi morto dentro do carro com um tiro no peito

Gerson Martins foi morto dentro do carro com um tiro no peito

A polícia acredita em crime passional motivado por ciúmes. Os dois foram casados durante 4 anos, e o sargento já tinha uma nova esposa que também é policial militar.  

“Ele a agrediu e tentou tirá-la do carro, temos os laudos que atestam a agressão. A vítima já estava morta quando isso aconteceu. O sargento não é obrigado a falar no depoimento, mas omitiu uma série de informações”, comentou a delegada. 

“A testemunha relatou que ele a ameaçou, dizendo que se ela o denunciasse iria matá-la. Vamos representar agora contra ele no Tribunal do Júri pelo homicídio. Serão dois inquéritos: por violência doméstica e homicídio”, adiantou a delegada. 

Delegada Clívia Valente: pedido de prisão pelo homicídio ainda será apresentado. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

Delegada Clívia Valente: pedido de prisão pelo homicídio ainda será apresentado. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

O sargento Abraão Martins foi levado para a DECCM por volta das 9h. Ele ainda seria conduzido para a Polícia Técnica do Amapá (Politec) onde fará exame de corpo de delito para depois ser encaminhado a um centro de custódia do Iapen, provavelmente no Bairro Zerão, onde ficam os presos que são funcionários públicos. 

Até as 11h desta manhã, ele continuava prestando depoimento acompanhado de 3 advogados na DECCM. 

Compartilhamentos