• denuncia ônibus escolar campanha eleição
    MP Eleitoral investiga uso de ônibus escolares em campanhas
  • educação financeira
    Amapá vai inserir educação financeira nas escolas
  • volta aulas escola (9)
    Escolas preparam volta às aulas presenciais
  • transporte-escolar
    Cooperativa de transporte escolar terá que devolver R$ 23,8 milhões ao Estado
  • camilo-1
    Ex-governador e ex-secretários são absolvidos no 'caso BNDES'
  • ' />

    Seed recebe recomendação para exonerar gestores de caixas escolares

    MPF diz que gestores condenados estão apenas sendo redistribuídos para outras escolas, onde podem voltar a cometer irregularidades
    Compartilhamentos

    DA REDAÇÃO

    Nos últimos dois anos foram oficializados mais de 200 casos de irregularidades na administração dos caixas escolares do Amapá, apontou um levantamento feito pelo Ministério Público Federal. A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão anunciou nesta quarta-feira (11) que recomendou à Secretaria de Educação do Estado (Seed) que exonere todos os gestores condenados por uso indevido do dinheiro.

    Os recursos, destinados à manutenção dos prédios das escolas, são do Programa Dinheiro Direto da Escola, do Ministério da Educação.

    Contudo, de acordo com o MPF, em 2016 foram detectados 51 casos em que houve irregularidades, e 154 até setembro de 2017. Contudo, dizem os procuradores, gestores com problemas na prestação de contas estão apenas sendo remanejados para outras escolas.

    A recomendação é para que a Seed exonere, substitua e não nomeie gestores “condenados por práticas ilícitas ou que tenham deixado de prestar contas, ou, ainda, tenham tido as contas reprovadas”. A condenação precisa ser por colegiado ou ter transitado em julgado.

    “Tomamos a iniciativa de atuar, inicialmente, sem recorrer à Justiça, por entender que o Governo, por meio da Seed, pode adotar medidas para fiscalizar adequadamente o que vem ocorrendo nos Caixas Escolares. Não é possível admitir que um recurso destinado a melhorias nas escolas seja alvo da ação de pessoas que tratam recursos públicos de forma indevida”, justificou o procurador regional dos direitos do cidadão Rodolfo Lopes.

    O portal SELESNAFES.COM não conseguiu contato com a Seed, que tem 10 dias de prazo para comunicar se houve o cumprimento da recomendação. Em caso contrário, advertiu o MPF, haverá medidas judiciais.

    Seles Nafes
    Compartilhamentos
    Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
    error: Conteúdo Protegido!!