Justiça decide proibir festas e consumo de álcool em Laranjal do Jari

Decisão leva em conta situação de calamidade após nova elevação do Rio Jari
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma decisão de Justiça do Amapá publicada na quinta-feira (17) está proibindo por 5 dias a venda de bebida alcoólica e a realização de festas no município de Laranjal do Jari, no sul do Amapá.

A deliberação, proferida pelo juiz Zeeber Lopes Ferreira, titular da Comarca da Laranjal do Jari, ocorre por conta da situação de calamidade pública decretada após o alagamento na cidade após a nova elevação do Rio Jari na última segunda-feira (14).  

Está proibida a comercialização, o transporte, a distribuição e o consumo de bebidas alcoólicas nas áreas alagadas e a utilização de equipamentos de som fixo ou móveis, bem como a promoção de festas, eventos e reuniões comemorativas nas regiões afetadas.

Em casos de desobediência, os estabelecimentos flagrados serão fechados. Os órgãos de segurança nacional, estadual e municipal realizarão a fiscalização para o cumprimento da decisão judicial.

Moradores fazem festa em área alagada: riscos para a saúde e segurança. Foto: reprodução

Festa, doenças e calamidade pública

Na última quarta-feira (16), foram divulgadas nas redes sociais fotos e também vídeos de um grande número de pessoas participando de uma festa de aparelhagem em uma região alagada, na Avenida Tancredo Neves, no Bairro Malvinas. A multidão aparenta não se importar com os riscos à saúde a que se expõem e até jogam água umas nas outras.

O ato foi considerado imprudente pela Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS), que avaliou que houve exposição a um alto risco de contaminação por doenças de veiculação hídrica, como febre tifoide, leptospirose, verminoses, doenças da pele, escabiose, dentre outras.

Abastecimento de água, pessoas desabrigadas e desalojadas estão entre os problemas produzidos pela cheia. Foto: Secom

Ainda na quinta-feira (17), o Ministério Público havia emitido uma recomendação de toque de recolher em Laranjal do Jari, também levando em consideração a situação de calamidade pública. De acordo com a Defesa Civil Estadual, houve nova elevação de 2,77m na quinta. 

A enchente já deixou 344 pessoas desabrigadas e 747 desalojadas. Foram também registrados nos últimos dias, casos de agravo de saúde. São 827 casos de doenças diarreicas, 7 casos de doenças de animais peçonhentos, 5 de pneumonia e 3 de hepatites. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.