Policial morta seria promovida a sargento

Com 10 anos de corporação, a militar era conhecida pelo profissionalismo e pela boas relações de amizade
Compartilhamentos

RODRIGO INDINHO

Amigos e familiares se despedem da cabo da PM Emily Karine de Miranda Monteiro, de 29 anos, assassinada com três tiros na tarde de domingo (12), dentro de uma quitinete onde morava no Bairro Pacoval. O principal suspeito do crime é o ex-namorado da vítima e também PM, Kássio Mangas, que está sendo procurado pela polícia.

Em clima de muita tristeza, o corpo está sendo velado desde o início desta segunda-feira (13), em uma capela no Bairro Santa Rita, na zona sul de Macapá.

De acordo com amigos de farda, Emily Karine de Miranda Monteiro, formada em Letras, tinha 10 anos de corporação. Atualmente, estava lotada no Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE).

Major Kássio: amiga e excelente militar. Foto: Rodrigo Indinho

A vítima e o acusado namoravam há dois anos e não tinham históricos de brigas, pelo menos não na frente dos amigos. Segundo relatos, eles aparentavam ser bastante calmos.

Emilly tinha o sonho de crescer profissionalmente na carreira militar. Recentemente, tinha sido aprovada no concurso interno para sargento da Polícia Militar e o ex-namorado e acusado do crime, Kássio Mangas, também. 

O sepultamento será às 17h, no Cemitério São José, onde ocorrerá solenidade militar.

Cabo foi morta com três tiros no domingo. Testemunhas relatam presença do ex-namorado na cena do crime. Foto: reprodução/rede social

Grande profissional e amiga

Segundo o amigo do casal, major Kássio Kleber de Almeida Souza, subcomandante do BPRE, Emily era uma grande profissional, amiga, e amava o que fazia.

“Eram dois amigos muito próximos da minha família. Frequentavam minha casa, ela era excelente amiga. Em todos os sentidos positivos da palavra. Aquela pessoa que se você ligasse qualquer hora ela estava ali. Participou dos momentos mais felizes da minha vida e com a minha esposa. No casamento e nascimento do meu filho, uma excelente profissional. tive a honra de trabalhar com ela no BPRE, competentíssima”, disse o amigo e policial.

Principal suspeito, ex-namorado também é PM e ainda não foi localizado. Foto: reprodução/rede social

O major Kássio Souza destacou também as muitas qualidades profissionais de Emily Monteiro, tanto nas atividades administrativas, quanto nas ações. 

“Dava formato a qualquer ideia, trazia tudo pronto muito melhor que as expectativas. Quem conviveu com ela sabia que ela tinha essa característica de ser muito organizada, competente e caprichosa. Tanto que estava na função em que estava no BPRE. Uma pessoa bem instruída, bem esclarecida, com uma personalidade forte. Por isso que a gente não entende, algo assim acontecer com uma mulher tão forte como a Emily, de muitos sonhos, uma das primeiras colocadas no concurso pra sargento. Tinha o militarismo no sangue. Um dia antes, estava de serviço nas viaturas. A amizade retrata bem o que era ela, seu sorriso vai ficar pra sempre em nossa memória”, finalizou. 

Foto de capa: Rodrigo Indinho

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!