Amapá adere a decreto de Bolsonaro e Forças Armadas atuarão contra queimadas

Com adesão ao decreto da Garantia da Lei de da Ordem (GLO), Forças Armadas poderão atuar em ações preventivas nas florestas do Amapá.
Compartilhamentos

Da REDAÇÃO

O Amapá oficializou a adesão do Estado ao decreto do presidente Jair Bolsonaro de Garantia da Lei de da Ordem (GLO) que prevê o uso das Forças Armadas em ações contra queimadas e desmatamentos ilegais.

O governador do Amapá e presidente do Consórcio da Amazônia Legal, Waldez Góes, assinou a adesão na manhã desta segunda-feira (26).

Segundo a Assessoria de Comunicação do Governo Amapaense, a intenção é preparar o Estado para a chegada do período de seca, que é propício para focos de incêndio, principalmente nos meses de outubro e novembro.

Ainda nesta segunda-feira, às 16h30, o governador Waldez fará uma reunião com o comandante da 22ª Brigada do Exército Brasileiro, general Viana Filho, para o detalhamento das ações preventivas no Amapá. E na terça-feira (27), o Waldez e outros governadores da Amazônia Legal se reúnem em Brasília com Bolsonaro para tratar da crise das queimadas.

Forças Armadas poderão promover ações diretamente nas florestas amapaenses. Foto: Ascom/GEA

De acordo com o ofício de adesão do Amapá, as Forças Armadas devem atuar em ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais e levantamento e combate a focos de incêndio.

“Em que pese o Amapá não estar enfrentando situação crítica de queimadas e desmatamentos ilegais, precisamos atuar de forma preventiva, principalmente porque o período de seca começa a se intensificar em toda a região, deixando o terreno propenso para queimadas.

Conforme o decreto, publicado na última sexta-feira (23), as Forças Armadas poderão ser empregadas nas áreas de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e “em outras áreas dos estados da Amazônia Legal”.

O decreto prevê o uso de Forças Armadas até o dia 24 de setembro. Além das ações preventivas, o decreto também prevê o uso da força, no caso de situações em que haja risco para a integridade da população e o funcionamento das instituições.

Foto de capa: Divulgação/PC

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!