Compartilhamentos

A partir de amanhã, 30, uma equipe da Secretaria de Transportes do Estado (Setrap) iniciará uma análise minuciosa da Estrada de Ferro do Amapá (EFA). Depois de anunciar a caducidade do contrato com a mineradora Zamin, o governo anunciou que irá fazer uma chamada pública para definir uma nova empresa para administrar a ferrovia.

Segundo o secretário de Estado de Relações Institucionais, Jorge Amanajás,  a mineradora Zamin não cumpria havia meses várias cláusulas do termo de concessão. A principal delas é o trabalho social, que consistia no transporte de agricultores entre os municípios de Serra do Navio, Pedra Branca, Porto Grande e Santana.

Vagões de minério abandonados desde o início do ano próximo ao KM-18 da BR-210

Vagões de minério abandonados desde o início do ano próximo ao KM-18 da BR-210. Fotos: Seles Nafes

“Hoje a ferrovia não tem a menor condição  de ser utilizada para transporte. De forma breve, precisamos recuperar vários trechos que estão intransitáveis, reformar as estações e as próprias locomotivas devem ser reavaliadas. Paralelo a isso será feita uma chamada pública para uma nova concessão da ferrovia”, explicou o secretário. A chamada deve ser realizada ainda neste ano.

Segundo a Setrap, os trens estão paralisados desde março. Assim como o transporte de passageiros e da produção agrícola. Os agricultores, que chegaram a realizar protestos na ferrovia queimando pedaços de madeira, estão fazendo o transporte por meio de vans e caminhonetes fretadas.

Hoje, os 198 quilômetros da Estada de Ferro estão tomadas por mato e desgaste. Por causa do abandono, a mineradora já foi multada pelo estado seis vezes em mais de R$ 1,4 milhão.

 

Compartilhamentos