Compartilhamentos

A campanha Papai Noel dos Correios será lançada no Amapá na próxima segunda-feira, 16, na agência central, em Macapá. Os interessados em adotar um carta têm prazo até o dia 11 de dezembro. A festa de lançamento vai contar, além do próprio Papai Noel, com a participação do contador de histórias Joca Monteiro e do grupo de teatro da escola Gonçalves Dias.

A campanha contempla, além das cartas das crianças da sociedade que escrevem diretamente ao Papai Noel, as cartas de estudantes das escolas da rede pública (até o 5º ano do ensino fundamental) e de instituições parceiras, como creches, abrigos, orfanatos e núcleos socioeducativos.

A campanha já vem sendo realizada há 26 anos, e nos últimos três anos recebeu 1,9 milhão de cartas em todo o Brasil, sendo que 80% delas foram adotadas. A ideia é que o Papai Noel responda às cartas das crianças que fazem seus pedidos e sempre querem receber alguma coisa do bom velhinho.

Qualquer pessoa pode adotar uma cartinha e fazer uma criança feliz. Foto: jornalagora.com.br

Qualquer pessoa pode adotar uma cartinha e fazer uma criança feliz. Foto: jornalagora.com.br

Mas quem pode adotar uma cartinha? Qualquer cidadão que se disponha a fazer uma criança carente feliz no período natalino, e é claro com a ajuda de dos mais de 120 mil empregados dos Correios.

Adoção

A adoção de cartas da campanha é feita da mesma maneira em todo o Brasil: as cartas enviadas pelas crianças são lidas e selecionadas. Em seguida, são disponibilizadas para adoção em determinadas unidades da empresa. Os Correios não entregam cartas para adoção diretamente à população, em suas residências. As cartas do Papai Noel dos Correios ficam disponíveis apenas nos locais indicados pela empresa, listados no blog da campanha.

Os presentes relativos às cartas adotadas são entregues pelos padrinhos nos pontos divulgados pelos Correios para que posteriormente a entrega seja feita pelos carteiros. Não é permitida a entrega direta do presente e, para assegurar a observância desse critério, o endereço da criança não é informado ao padrinho.

Foto capa: memoria.ebc.com.br

Compartilhamentos