Compartilhamentos

DA REDAÇÃO –

Os moradores do município mais novo do Amapá, Vitória do Jari, no Sul do Estado, respiram fumaça preta durante boa parte do dia. A coluna negra sai dos exaustores da Jari Celulose, indústria que funciona na região desde o início dos anos de 1970.

As famílias mais atingidas moram num bairro chamado Nova Vitória, que fica bem na direção da fumaça. O geógrafo Gesiel Oliveira esteve no município no último fim de semana e registrou em vídeo o estrago da atividade no meio ambiente e, consequentemente, à saúde dos moradores.

Fábrica da Cadan funciona ao lado da Jari Celulose, mas sem a coluna gigantesca de fumaça negra. Imagens: Gesiel Oliveira

Fábrica da Cadan funciona ao lado da Jari Celulose, mas sem a coluna gigantesca de fumaça negra. Imagens: Gesiel Oliveira

A fábrica fica ao lado de outro complexo industrial, o da Cadan, onde o caulin é beneficiado para ser vendido a indústrias de porcelana, papel, adubo e cosméticos.

A fumaça só é emitida pela Jari Celulose, e fica negra quando existe queima de óleo diesel. Além dos gases ricos em dióxido de carbono, a atividade produz um odor insuportável sentido em várias partes do município.   

A descarga excessiva de fumaça já foi denunciada pelos moradores e investigada pelo Ministério Público, mas até agora nada mudou.

Compartilhamentos