Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Com mais de mil representantes comunitários e autoridades presentes, a prefeitura de Macapá fez a abertura do Congresso do Povo nesta terça-feira (20), no auditório do Ceap. O evento busca escutar a população para a elaboração do Plano Plurianual (PPA) 2018/2021. A meta é definir os investimentos para a cidade pelos próximos quatro anos.

A abertura do evento contou com a presença de secretários, políticos, coordenadores e dezenas de líderes comunitários que já se articulam para apontar nas plenárias as maiores necessidades dos seus bairros e distritos.

Líderes comunitários fazem questionamentos ao prefeito. Fotos: Cássia Lima

“Nós queremos que nossas demandas de infraestrutura, especialmente drenagem das águas fluviais, estejam no cronograma de obras da prefeitura. No meu bairro tem 7 cadeirantes e estamos querendo mais acessibilidade e asfaltamento”, reivindicou o presidente da Associação de Moradores do Bairro Amazonas (Amba), José Carlos Monteiro Sampaio.

Durante os debates, os gestores anotam as demandas da população de cada bairro e propõem projetos de lei e investimentos para aquele setor.

Após isso, o plano é enviado aos vereadores para ser aprovado na Câmara antes das Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e do Orçamento Municipal de cada ano. Esse ano, o Congresso será dividido em 13 plenárias. A primeira está marcada para dia 22 de junho na escola Hildermar Maia.

O plano deve ficar pronto em agosto, depois que forem finalizadas as audiências públicas. As plenárias nos bairros estão previstas para ocorrer duas vezes na semana, terças e quintas-feiras, das 18h às 22h.

“Esse primeiro dia foi um sucesso total, a participação foi muito expressiva e queremos que isso se amplie. Queremos que os lideres aqui repliquem isso para que possamos ouvir mesmo o povo”, ressaltou o prefeito de Macapá, Clécio Luis (REDE).

Lideranças do Bairro Amazonas

Segundo o prefeito, três temas já são esperados nas audiências públicas: a pavimentação, buracos e a temática das creches que ainda não foram sanadas, dentre outros assuntos

“A bandeira que a gente traz é de fortalecimento da juventude da periferia. Queremos ter mais acesso aos serviços sociais e que nossa juventude tenha mais moradia e educação de qualidade”, pediu o representante da juventude, Jorge Felipe.

Foto de capa: Gabriel Flores

Jorge Felipe: reivindicações da juventude

Compartilhamentos