Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um homem de 33 anos que estava internado no Hospital de Emergência de Macapá foi baleado dentro da unidade de saúde no início da noite desta quinta-feira (1º ). O atirador tem 15 anos e foi detido por um vigilante quando tentava escapar.

O crime ocorreu por volta das 18h30min. Segundo testemunhas, a vítima estava em uma maca aguardando a vez de entrar no centro cirúrgico quando foi baleada duas vezes no tórax.

A vítima estava no corredor que dá acesso ao centro cirúrgico. Depois dos tiros, o homem ainda se levantou, mas caiu no chão alguns metros depois.

O atirador tentou fugir pelos fundos, mas foi capturado por um vigilante e detido até a chegada de uma equipe do Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM).

Menor foi detido por vigilante até a chegada da PM. Fotos: Olho de Boto

De acordo com as primeiras informações levantadas pela PM, o menor de 15 anos queria vingança.

“O menor conseguiu descobrir pelas redes sociais que a pessoa estava doente. O próprio paciente postou isso e o menor soube”, explicou o tenente César, do BRPM. 

“Esse cidadão, anos atrás, teria matado o irmão dele (menor)”, acrescentou.

O adolescente infrator é morador do Bairro Novo Horizonte, em Santana, cidade a 17 quilômetros de Macapá. Quando foi detido pelo vigilante, ele portava um revólver calibre 38 totalmente carregado, e com duas munições deflagradas. Além das balas que ele tinha no tambor, o atirador ainda carregava mais 10 projeteis no bolso.

“Ele estava preparado”, observou o oficial do BRPM.

Revólver do menor estava carregado, e havia mais balas para serem usadas

A vítima, que seria operada por outro problema não informado, acabou sendo levada às pressas para o centro cirúrgico. Segundo o HE, o estado de saúde dele é estável.

Os tiros e a correria da PM causaram pânico entre servidores e pacientes. Do lado de fora, muitos curiosos e parentes de pacientes se aglomeraram na entrada do hospital em busca de notícias.

“Aconteceu o que a gente sempre temia”, disse uma funcionária.

A direção do Hospital de Emergência divulgou uma nota onde afirma que não há, pelo menos até agora, comprovação de que o menor tenha entrado pelos acessos normais de pacientes e funcionários. As imagens do circuito interno serão analisadas para checar como ocorreu a invasão. 

“A segurança das unidades hospitalares tem tido atenção especial, e é uma das pautas da Agenda do Servidor”, frisou. 

Compartilhamentos