Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Um jovem usou as redes sociais para denunciar o assédio sexual que sofreu dentro de um ônibus que saía da zona sul de Macapá para o centro da cidade, na última quinta-feira (9).

O jovem universitário Paulo Felipe Campos, de 18 anos, publicou em vídeo um desabafo no Facebook. As imagens mostram um homem ao lado dele dizendo: “mas você não é homossexual?”.

A frase teria sido dita após a negativa do estudante à proposta do desconhecido de fazer sexo oral nele. O passageiro estava carregando uma Bíblia no colo. O jovem conversou com o portal SELESNAFES.COM sobre o caso. 

Paulo Felipe relatou que tinha saído do banco e ia até o centro da cidade em um ônibus da linha Buritizal-Centro, por volta das 14h da quinta.

O jovem gravava um vídeo para um grupo de amigos no Whatsapp, quando um homem, aparentando ser um religioso e com uma bíblia na mão, subiu no Bairro do Trem e sentou-se no banco em frente ao que estava, de onde teria iniciado as investidas contra ele e outro rapaz que sentava ao seu lado.

“Ficava olhando insistentemente e perguntou se ele (o rapaz sentado ao lado de Paulo) era homossexual. Depois perguntou onde o moço morava e depois insistiu perguntando. Quando o ônibus passou perto da Junta Militar, o jovem desceu. Depois disso, ele sentou do meu lado”, recordou Paulo Felipe.

A partir daí, o homem teria prosseguido com as perguntas para Paulo Felipe. Segundo o jovem, teria perguntado se era evangélico e depois se era homossexual. Em seguida, veio o convite. No vídeo, só foi possível ouvir graças a um recurso do editor de áudio. Sentindo-se indignado, Paulo levantou-se do banco.

“Eu disse que ele estava me incomodando. Então disse que da próxima vez que ele fosse dizer saliência no meu ouvido eu ia pedir pro motorista parar e ia chamar a polícia”, lembrou Paulo Felipe.

O estudante se aproximou do cobrador, e o homem desceu do ônibus.

“Não tenho palavras pra descrever  o que eu senti. Fiquei com medo, depois que ele desceu do ônibus eu me vi totalmente desesperado e tremi. Foi a primeira vez que sofri esse tipo de assédio em ônibus. Tudo aconteceu muito rápido”, desabafou.

Paulo Felipe Campos disse que vai registrar um boletim de ocorrência e tentar entrar com um processo judicial contra o assediador. Ainda na quinta-feira, ele procurou um advogado que cuidará do caso e já obteve informações preliminares sobre o homem, que seria de uma família evangélica de Santana.

“Pra mim, ele tem cara de maníaco, pensei em alguns momentos que ele ia me agredir. Quando gritei com ele no ônibus as pessoas ficaram sem entender”, complementou.

O jovem disse se sentir encorajado e no dever de expor o indivíduo como forma de ajudar outras pessoas que passam pela mesma experiência.

“Tem tanta gente que sofre com isso todos os dias e fica calado. Pensei na minha irmã, que é menor de idade, e que usa ônibus pra ir e voltar da escola. Isso pode acontecer com qualquer pessoa. Se ele pôde falar isso pra mim que sou um adolescente, ele pode falar pra uma criança”, finalizou. 

Compartilhamentos