Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

A ampliação e revitalização da rede geodésica do Amapá estão quase prontas. A confirmação, na quarta-feira (11), foi feira por técnicos do IBGE e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema). Depois de implantada, a rede vai permitir a informação precisa sobre localidades dentro do estado e a implantação de novas tecnologias para o campo.

Geodésia é uma topografia de alta precisão que leva em conta a curvatura da Terra. É a melhor forma de representar a superfície terrestre com posicionamento e altitude. Os marcos de referências, que agora vão chegar a 701, estão sendo instalados desde 2014. A antiga rede, existente desde a década de 1980, contava com 124 marcos.

Marcio Bonifácio cartógrafo do IBGE, explica que os marcos geodésico são estruturas de concreto com formato piramidal e com uma circunferência de cobre em cima. Nelas, estão contidas todas as informações daquele local.

Ele reforça que a rede vai facilitar um melhor cultivo de certas culturas de alimentos no estado, e acredita que até o fim do mês mais 30 novos marcos já estejam instalados, e a rede entregue ao governo.

“O estado do Amapá foi pioneiro nesse sentido. Ele quis modernizar uma rede antiga que existia e que estava causando alguns problemas para o planejamento de ações futuras, como grandes projetos. Ele não tinha uma rede que desse referência nesse nível para que pudesse chamar empresas a investirem aqui”, falou Bonifácio.

Com ampliação, rede terá 701 marcos de referências Foto: André Silva

A rede geodésica também vai permitir que empresas de telecomunicações saibam com precisão onde poderão instalar uma antena, segundo explicou o secretário de Meio Ambiente, Marcelo Creão. 

Ele falou que o Amapá já pode ter uma agricultura de precisão e que a nova rede vai possibilitar o uso de novas tecnologias no campo.

“Os tratores e outros equipamentos que podem ser comandados por GPS já podem operar no estado, porque aqui já tem uma rede geodésica. O melhor enquadramento das estradas, o melhor desenvolvimento de uma barragem para geração de energia elétrica, sem sombra de dúvidas, com uma rede dessa é possível”, reforçou o secretário.

Compartilhamentos