Compartilhamentos

Os reajustes nos preços dos combustíveis e gás de cozinha não agradaram os consumidores. No Amapá, o consumidor está pagando 3% a mais no combustível e 7% no gás de cozinha. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os custos das hidrelétricas e termoelétricas aumentaram, então o reajuste é fundamental para recuperar gastos e despesas acumulados nos últimos 12 meses. Quanto ao gás, a Petrobrás não anunciou nenhum reajuste, mas as distribuidoras reajustam os preços por conta própria, justificando o aumento dos custos, principalmente com transportes e impostos.

Gasolina ultrapassou a barreira dos R$ 3,00

Gasolina ultrapassou a barreira dos R$ 3,00

O amapaense já sentiu no bolso o aumento. Em alguns postos o valor disparou para R$ 3,12. Mas quem não tem problemas em pesquisar, pode encontrar o produto até por R$ 2,98. Quem trabalha diariamente usando em veiculo próprio reclama. “Antes eu colocava R$ 20 de combustível  e isso representava sete litros. Hoje coloco o mesmo valor, mas só são seis litros. Será necessário reajustar o preço das corridas ou enfrentar o prejuízo”, declarou o taxista Antônio Oliveira, de 52 anos.

Taxista Antonio Oliveira vai reajustar o preço da corrida

Taxista Antonio Oliveira vai reajustar o preço da corrida

O aumento de preço não é só do combustível. O gás de cozinha, que no início do ano custava R$ 54, já está sendo comercializado por até R$ 60. Vale ressaltar que este é o segundo aumento este ano. Para a dona de casa Rosimere Gonçalves, apesar do reajuste, não é o gás que a preocupa. “A cesta básica inteira aumentou, principalmente, leite e verduras”, reclamou.

Em nota, a Associação Brasileira dos Revendedores de Gás orientou: “As companhias e distribuidoras aumentam por conta própria, já que não há reajuste na Petrobrás desde 2003. Quem se sentir lesado deve procurar o Procon”.

Compartilhamentos