Compartilhamentos

Após interditar o Restaurante Universitário (RU) localizado no Campus Marco Zero da Universidade Federal do Amapá (Unifap), a reitoria ainda aguarda o laudo da Vigilância Sanitária para tomar uma decisão. No último dia 5, mais de 50 alunos passaram mal depois de almoçar no local. Os estudantes agora organizam uma audiência pública para discutir o assunto

O laudo irá determinar se foi mesmo a comida do restaurante que causou o mal estar nos alunos. É bem provável que a empresa que administra a cozinha do restaurante perca o contrato, caso o resultado seja positivo. “Por enquanto ainda estamos analisando juridicamente as cláusulas contratuais e, baseado nos laudos técnicos, poderemos começar a falar, ou não, de uma suspensão do contrato. Por enquanto, o restaurante continua fechado e a reitoria está agindo para atender o mais rapidamente possível os alunos que ficaram sem o local para se alimentar”, contou o pró-reitor da Unifap, Rafael Pontes.

Flávia Calado, do DCE: morosidade

Flávia Calado, do DCE: morosidade

O Diretório Central dos Estudantes  (DCE) acha que o processo é lento, e por isso protocolaram um pedido de audiência pública para debater o assunto na próxima quarta-feira, 19, no auditório do Conselho Universitário, no prédio da reitoria, às 16 horas. “O intuito é conversar abertamente com a reitoria para que encaminhamentos sobre o problema sejam tirados e assim tentar solucionar o problema da falta de um local para a realização das refeições dos alunos, principalmente dos mais carentes, que eram o que mais usavam o RU”, contou uma das diretoras do DCE, Flávia Calado.

Segundo o DCE, o RU atendia pelo menos 800 alunos de forma gratuita, por meio das bolsas assistenciais destinadas a alunos carentes. Eles estão há quase duas semanas sem local para as refeições. “Sem contar que outros alunos faziam uso do local por conta do valor de R$ 1,50 cobrado para acadêmicos. E agora todos estão órfãos”, acrescentou Flavia.

Compartilhamentos