Compartilhamentos

O presidente do Partido Popular Socialista (PPS) no Amapá, Allan Sales, reagiu com cautela ao início das negociações para fusão do partido como o PSB, legenda hoje dominada no estado pela família Capiberibe. Apesar de achar que seria um grande negócio, por outro lado Allan Sales, que também é o vice-prefeito da capital, diz que primeiro será necessário avaliar um conjunto de fatores, entre eles a viabilidade da nova legenda para as próximas duas eleições.

Os dois partidos anunciaram na quarta-feira. 29, o início das tratativas para a fusão. Além de aumentar o tamanho das bancadas (7 senadores, 45 deputados federais e 3 governadores),  o novo partido passaria a receber lideranças com capacidade de disputar e ganhar eleições em capitais importantes, como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte.

O alvo seriam as eleições municipais em todas as capitais e nas cidades acima de 200 mil eleitores.

Capiberibe, presidente do PSB: candidaturas viáveis em três grandes capitais

Capiberibe, presidente do PSB: candidaturas viáveis em três grandes capitais

 “Em São Paulo poderemos lançar a senadora Marta Suplicy, que se desfiliou do PT; no Rio de Janeiro o senador Romário, e em BH a reeleição de Márcio Lacerda”, comentou o presidente do PSB no Amapá, senador João Capiberibe, em entrevista na manhã desta quinta-feira, 30, ao programa Luiz Melo Entrevista, da Rádio Amapá FM.

Segundo o senador, apesar de ainda não haver uma decisão sobre o assunto, já haveria até uma definição sobre o nome do novo partido. Continuaria sendo o PSB com o número 40, o que demonstra, na verdade, que a fusão seria na realidade uma absorção do PPS pelo PSB.

Contudo, o processo não é tão simples. Nos últimos anos partidos tem iniciado discussões sobre fusões que nunca aconteceram. No caso do PPS, em 2004 a fusão com o PDT acabou não prosperando, assim como em 2006 com o PHS e PMN, e em 2014 só com o PMN. Os interesses regionais costumam falar mais alto.

Em entrevista ao site SelesNafes.Com, Allan deixou claro que os 27 diretórios estaduais ainda serão consultados, e que é preciso avaliar as perspectivas a partir de como ficaria a sigla depois da fusão, olhando para os cenários em 2016 e 2018.

“O Jorge (Amanajás) pode ser candidato à prefeitura, e o prefeito Clécio me convidou pra continuar sendo vice. Há muitas possibilidades a serem levadas em consideração. Além disso, tem o cenário nacional. O PSB é governo. O PPS é oposição. Não queremos ser governo. E é também necessário que se respeite e preserve a história e os espaços conquistados pelo PPS ao longo dos anos”, concluiu Sales.

Compartilhamentos