Compartilhamentos

O Amapá avançou politicamente em dois requisitos importantes de infraestrutura do turismo. O governo federal definiu a data de assinatura da ordem de serviço das obras de conclusão do Aeroporto Internacional de Macapá Alberto Alcolumbre. Será no dia 30 de junho. Além disso, o novo ministro do Turismo garantiu apoio para a construção de um grande centro de convenções no Estado.

O anúncio sobre o aeroporto foi feito depois de uma audiência entre os senadores do Amapá Randolfe Rodrigues (Psol) e Davi Alcolumbre (DEM), o prefeito de Macapá Clécio Luis (Psol), e o ministro do Planejamento Nelson Barbosa.

Barbosa deixou claro que o ministério decidiu dar prioridade para as obras nos aeroportos de Goiânia (GO), Vitória (ES), Aracaju (SE) e Macapá. “Essas cidades estão em colapso aéreo por conta dos aeroportos e por isso que nós elegemos os quatro como nossa prioridade”, disse o ministro.

Para Randolfe Rodrigues, acabaram os entraves que impediam a retomada das obras. “No máximo até trinta de junho a ordem de serviço estará assinada e teremos o nosso novo aeroporto pronto em até dois anos, esse é o prazo para a conclusão dos serviços”, comemorou o senador. A obra ainda deve custar cerca de R$ 200 milhões.  

Centro de convenções

Além do aeroporto de Macapá, outro componente essencial para o turismo no Amapá é a construção de um centro de convenções, projeto defendido pelo presidente da Comissão de Turismo do Senado, Davi Alcolumbre, que também teve audiência sobre o assunto.

Senador Davi com o novo ministro do Turismo: visita ao AP para tratar do centro de convenções

Senador Davi com o novo ministro do Turismo: visita ao AP para tratar do centro de convenções. Foto: Ascom

Davi conversou com o novo ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, há menos de um mês no cargo substituindo Vinicius Lages que já tinha se comprometido em visitar o Amapá.

O novo ministério confirmou que manterá a agenda e virá ao estado para tratar do centro de convenções. “Vamos manter o compromisso com o senador Davi, que é o presidente da CDR e com o Amapá, nesse projeto de grande relevância para o Estado”, disse ele.

Na primeira quinzena de junho uma nova audiência definirá a visita que tratará do projeto e da liberação de recursos federais para a obra. “O Centro de Convenções é uma bandeira minha desde que assumi a CDR. É um sonho que quero dividir com os amapaenses porque sei da importância dele para o Estado. Nosso trabalho será incansável para tornar o centro uma realidade para a população”, comentou Davi.

A ideia é atender a uma demanda que fica evidente sempre que Macapá sedia grandes eventos nacionais e internacionais. A rede hoteleira não tem capacidade de absorver toda a procura. Com um centro de convenções será possível estimular o chamado “turismo de negócios”, uma das atividades mais lucrativas do turismo.  

O centro de convenções deve ser construído no meio do mundo, no entorno do monumento do Marco Zero do Equador.

 

Compartilhamentos