Compartilhamentos

Quando alguém fuma crack, empurra para dentro dos pulmões uma bomba de substâncias que se fossem ingeridas de forma oral, dentro de um copo, poderiam matar rapidamente ou no mínimo causar sequelas. Em pequenas quantidades, solução de bateria e barrilha, além de outros produtos, formam a base química do crack. Neste domingo,10, foi isso que policiais do 6º Batalhão da PM encontraram em uma casa no Bairro Perpétuo Socorro, na Zona Leste da capital. Duas pessoas foram flagradas “cozinhando” crack.

A prisão ocorreu depois que a equipe que estava de plantão recebeu denúncia anônima de que os dois estavam fabricando crack em uma residência na famosa Passagem Santa Fé, local onde a polícia sempre realiza operações.

Barrilha é usada na decantação de piscina e na fabricação de crack. Foto: 6º BPM

Barrilha é usada na decantação de piscina e na fabricação de crack. Foto: 6º BPM

Ao chegar na casa o dono da residência, identificado apenas como “Capuxo”, conseguiu fugir pelos fundos. Na cozinha os policiais encontraram baldes onde havia solução de bateria e barrilha. Na casa também havia embalagens plásticas e linhas que são usadas para formar as pequenas trouxas que são comercializadas. Foram apreendidos 60 gramas de crack.

Dois irmãos foram presos. André Abdon foi preso por supostamente ter ajudado Capuxo a fugir numa Saveiro de placas NEV 3621. O outro, Miguel Abdon, seguiu com uma moto a viatura da polícia que ia para o Ciosp do Pacoval. Os policiais desceram da viatura e fizeram a abordagem. Houve discussão e Miguel acabou sendo preso por desacato.

Compartilhamentos