Compartilhamentos

HUMBERTO BAÍA, DE OIAPOQUE –

As atividades ilegais nos garimpos na Guiana Francesa têm tirado o sono das polícias francesa e brasileira, que não conseguem controlar o fluxo de pessoas na região, vindas de várias partes do Brasil e até de outros países. A garimpagem irregular acaba gerando uma série de outros problemas sociais como a prostituição e assassinatos.

Operação em garimpos com a participação de militares brasileiros. Fotos: Humberto Baía

Operação em garimpos realizada por militares francesas. Fotos: Humberto Baía

A polícia francesa tem realizado operações constantes nas regiões de garimpo, mas como são áreas de difícil acesso o combate fica prejudicado. Mesmo assim, operações com a Arpia e Anaconda, realizadas desde o ano 2000, têm apresentado alguns resultados positivos com o fechamento de vários garimpos. O problema é que a polícia não tem como manter a segurança nesses locais e os garimpeiros voltam, recomeçando a exploração ilegal. É uma briga de gato e rato, onde o rato está levando vantagem.

Alda Braga, assassinada na segunda-feira, com a adolescente que dança e bebe no acampamento

Com Alda Braga e uma adolescente no garimpo

Militares fecham garimpo, que acaba sendo reaberto clandestinamente

Militares fecham garimpo, que acaba sendo reaberto clandestinamente

Como os garimpos ficam em locais isolados, a prática da prostituição não tem precedentes. Sem fiscalização, até menores de idade acabam sendo exploradas sexualmente nessas regiões. Relatos de policiais brasileiros que participam de operações nos garimpos a convite da Polícia Francesa, apontam o quanto é difícil localizar esses garimpos.

Mas os problemas não param por aí. Os garimpeiros geralmente enfrentam os policiais franceses em meio à floresta demonstrando violência extrema, como foi o caso de dois militares franceses assassinados pelo garimpeiro brasileiro Manoel Moura Ferreira, o Manoelzinho, em 2012. Esse fato gerou uma das maiores operações realizadas pelos franceses em busca do criminoso, que acabou sendo preso pela Polícia Federal, e hoje tem como endereço o presídio de segurança máxima em Mato Grosso.

Em operação da polícia francesa, garimpeiros retiram motor usado na extração de ouro

Em operação da polícia francesa, garimpeiros retiram motor usado na extração de ouro

Na madrugada de segunda-feira, 9, mais um duplo homicídio foi registrado na floresta. Desta vez, foi um casal que trabalhava no garimpo conhecido como Limoeiro. Carlos André de Souza, 39 anos, e Alda Braga, de 44 anos, foram mortos a tiros por um homem conhecido como Mak Sandro. Os dois foram mortos de uma rede. O acusado está foragido.

 

Compartilhamentos