Compartilhamentos

Em sessão tensa, a Câmara de Vereadores de Santana rejeitou o pedido de instalação de uma comissão processante que poderia resultar na cassação do mandato do prefeito Robson Rocha (PR). A denúncia do vereador Richard Madureira (REDE) foi rejeitada por 6 votos a 3, e agora ele diz que vai pedir na Justiça a anulação da sessão.

A sessão desta quinta-feira, 5, começou por volta das 19h e só terminou depois das 22h. As galerias foram tomadas por manifestantes a favor do prefeito e vaiavam os vereadores da oposição e chegaram a causar um princípio de tumulto.

Manifestantes, segundo Zé Roberto, eram servidores comissionados

Manifestantes, segundo Zé Roberto, eram servidores comissionados

O vereador Zé Roberto (PT) fez questão de dizer no microfone que a maioria dos manifestantes tem cargos comissionados na prefeitura e que reconheceu vários rostos nas galerias.

A denúncia que poderia culminar com a cassação do prefeito é do vereador Richard Madureira (REDE). Robson Rocha é acusado não entregar a prestação de contas de dois anos seguidos, 2013 e 2014.

O prazo para a apresentação do balanço é sempre 30 de março, mas Rocha só teria entregado os balancetes em setembro.

“Quando ele não faz isso ele comete infrações políticas e administrativas, comete crime”, resumiu Madureira, acrescentando que buscou a prestação de contas por meio de requerimentos apresentados por ele e aprovados pelos vereadores desde maio, e que oficializou o caso ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas.

Madureira diz que vai entrar na Justiça

Madureira diz que vai entrar na Justiça para anular sessão

Na votação desta quinta, Madureira não pôde votar por ter sido o denunciante, assim como o vereador Anderson Almeida que estava presidindo a sessão.

Robson conseguiu mobilizar sua bancada de apoio e neutralizou a denúncia.

“O decreto 201-67 fala dos ritos em casos como esse, e várias etapas foram queimadas. Quem não pôde votar deveria ser substituído por suplentes. Além disso, o vereador Coló, que é irmão da secretária de Educação da prefeitura, deveria ter sido impedido e mesmo assim votou”, argumentou.

Richard Madureira disse que vai ingressar na Justiça alegando que os atos da sessão são nulos.

 

Compartilhamentos