Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Os moradores da Avenida Silas Salgado, no perímetro entre as Ruas Minas Gerais e Santa Catarina, no Bairro Santa Rita, sentiram uma sensação de alívio depois que as primeiras chuvas fortes começaram a cair na cidade. É que nessa época do ano a avenida sempre ficava inundada e os moradores sofriam para sair de casa. O local passou por obras de drenagem e asfaltamento.

Dona Renilda da Silva, de 63 anos, é comerciante e costumava usar uma canoa para sair de casa. Nesse período do ano, a casa dela sempre alagava. Animada, ela diz que depois das chuvas que caíram no fim de semana, parece que esse ano será diferente.

Ela diz que algumas casas ainda ficam alagadas na frente porque não acompanharam o nível da rua, que aumentou aproximadamente 40 centímetros com o trabalho de aterramento feito pela prefeitura de Macapá.

Dona Renilda era a dona do bote usado por várias pessoas para saírem de casa. Fotos: André SIlva

Dona Renilda era a dona do bote usado por várias pessoas. Fotos: André Silva

“Todos os anos essa rua alagava. Era como se nós estivéssemos em um buraco. Ainda bem que o prefeito se compadeceu de nós e acabou com o problema. Eu tive que subir um pouco a minha calçada, mas a minha cunhada teve que aumentar a casa dela se não a água da rua escorreria para dentro da casa. A canoa que eu usava, aposentei” conta sorrindo dona Renilda.

Canoa usada pela moradora em anos anteriores. Foto: Arquivo

Renilda em sua canoa em 2014. Foto: Arquivo

Mas nem todos os moradores estão satisfeitos. Segundo o autônomo Gesu Lino, as obras não foram concluídas ainda.

“Essa obra está inacabada. Eles furaram um buraco para fazer um bueiro e não concluíram. Agora quando chove, esse buraco enche e alaga a casa do vizinho. Além de quase 20 metros da rua que ainda faltam ser asfaltados”, reclamou.

Gesu Lino reclama que um buraco foi deixado prejudicando o trânsito de pedestres no local

Gesu Lino reclama que um buraco foi deixado prejudicando o trânsito de pedestres no local

De acordo com a Secretaria de Obras de Macapá (Semob), pouca coisa ainda falta ser feita na área, e com a chegada das chuvas ficou complicado continuar o trabalho.

Compartilhamentos