Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Na manhã deste sábado, 27, o Bairro do Santa Inês, orla de Macapá, recebeu o  “Dia D” de combate ao Aedes aegypti. A ação, coordenada pela prefeitura de Macapá, contou com 1,2 mil colaboradores. Diversos focos do vetor foram encontrados em terrenos baldios do bairro.

“Nós estamos entrando nas casas, orientando as famílias e o município está colocando o veneno. Se continuarmos nesse ritmo vamos chegar aos 70% da meta nacional. As pessoas precisam cuidar de seus terrenos porque o que vemos aqui é descaso dos donos e o espaço acaba virando depósito de lixo e criadouro do Aedes”, destacou a secretária de Saúde do Estado, Renilda Costa.

Equipes fizeram limpeza...

Equipes fizeram limpeza…

...e encontraram muito lixo nos quintais

…e encontraram muito lixo nos quintais

A ação acontece simultaneamente nos 16 municípios, com orientação, visitas domiciliares para inspeção, identificação e eliminação de criadouros. No Santa Inês, 40 equipes foram divididas para a atividade.

“Nós acabamos de encontrar um carro com o vetor e o dono agiu como se isso não significasse  nada demais. Os moradores precisam assumir essa responsabilidade, não adianta fazermos mutirões se a sociedade não se conscientizar”, frisou o deputado Antônio Furlan, que organizou uma audiência pública sobre o assunto na semana passada e participou da ação deste sábado.

Secretária de Saúde do Amapá, Renilda Costa, com procurador geral do Estado Narson Galeno e deputado Furlan. Fotos: Cássia Lima

Secretária de Saúde do Amapá, Renilda Costa, com procurador geral do Estado Narson Galeno e deputado Furlan. Fotos: Cássia Lima

Para o presidente da Associação de Moradores do Santa Inês, Raimundo Trindade, a ação deve ser contínua e com apoio da sociedade.

“Nós do Santa Inês estamos contentes por receber a ação. Há 8 anos perdi um filho para a dengue e faço o apelo para que a população abrace essa causa,  e que as autoridades continuem em todos os bairros”, pediu  Raimundo.

Mobilização envolve todo o poder público

Mobilização envolve todo o poder público

A ação  coordenada pela Sala Estadual de Situação é formada pelo Governo do Estado, prefeituras, Marinha, Ministérios Público Estadual e Federal, Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), Justiça Federal, Assembleia Legislativa, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, além de parceiros como a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Federação do Comércio do Amapá (Fecomércio-AP), Banco do Brasil, Correios, Associação Comercial e Industrial do Amapá (Acia) e Exército.

Compartilhamentos