Compartilhamentos

SELES NAFES

O vereador de Macapá João Henrique (PDT) disse nesta segunda-feira, 4, que não desistiu de concorrer a um terceiro mandato como prefeito de Macapá. Ele garante que a inclusão dele na lista de inelegíveis do Tribunal de Contas da União (TCU) é fato requentado.

A lista com 150 pessoas com contas irregulares no Amapá inclui o nome de João Henrique por problemas na prestação de contas de um convênio da época de prefeito. De acordo com ele, seria a mesma pendência de 2011, quando ele se candidatou para a Câmara dos Vereadores.

“Quando a conta é julgada irregular sem o dolo do gestor, ele não fica inelegível. Já existe jurisprudência, por isso o TRE permitiu que eu concorresse em 2011.  Enquanto eu não pagar a multa meu nome vai ficar aparecendo lá, mas já estou resolvendo isso”, disse o vereador que foi prefeito de Macapá entre 2001 a 2009.

Gilvam tem a simpatia de Roberto Góes e um acordo com Waldez, mas que ainda não bateu o martelo

Campanha de 2014: simpatia de Roberto Góes e um acordo com Waldez, que ainda não bateu o martelo

João Henrique ainda tem a esperança de ser indicado pelo governador Waldez Góes, mas ele precisa vencer a disputa pela vaga com o colega de partido, o deputado estadual Ericláudio Alencar, e com o ex-senador Gilvam Borges (PMDB).

Com a desistência do atual secretário de Transportes do Amapá, Jorge Amanajás (PSD) condenado na Operação Eclésia e tornado inelegível, a disputa interna passou a ser travada com Ericláudio Alencar.

Ericláudio Alencar também pode ser indicado por Waldez. Foto: Arquivo

Ericláudio Alencar também pode ser indicado por Waldez. Foto: Arquivo

Gilvam Borges (PMDB) tem a preferência do deputado federal Roberto Góes, presidente do diretório municipal, e um acordo antigo com Waldez Góes da campanha de 2014.

“Mas dentro da Executiva o martelo ainda não foi batido”, ‘lembra João Henrique.

Compartilhamentos