Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Quase três semanas de revitalizada, a Praça Veiga Cabral, localizada no Centro de Macapá, já sofre com o vandalismo. O espaço teve nesse fim de semana os bancos da área de jogos para idosos quebrados. Os comerciantes do local dizem que falta segurança.

Os criminosos ainda são desconhecidos, mas o vandalismo é fato público. Os bancos de concreto do tabuleiro de xadrez para idosos foram quebrados. Frequentadores do local lamentam a depredação.

Posto de segurança continua fechado. Fotos: Cássia Lima

Posto de segurança continua fechado. Fotos: Cássia Lima

“Muitas famílias, jovens e idosos vem pra cá. As pessoas têm que aprender a cuidar das praças, é nosso dinheiro que está aqui. Eu mesmo não vi nada, mas fico triste com esse descaso com um espaço tão bonito”, enfatizou o mototaxista Fernando Santos, de 31 anos.

Praça foi revitalizada e entregue à população no mês passado

Praça foi revitalizada e entregue à população no mês passado

A Secretaria Municipal de Obras (Semob) informou que já solicitou para a empresa responsável pela revitalização fazer as correções e que, até o fim desta semana, deve ser resolvido. Mas quem trabalha perto da praça pede mesmo segurança.

O posto militar do local está fechado desde sempre, é o que diz Cleonilson Cardoso, de 43 anos. Ele é dono de uma pequena assistência técnica na praça há 22 anos. Segundo o autônomo, o problema do local é a falta de segurança.

Cleonilson Cardoso. Fotos: Cássia Dias

Cleonilson Cardoso, autônomo: “já vi gente sendo assaltada aqui”

“Aqui nunca teve segurança, nem da polícia ou guarda municipal. A gente só vê viaturas passando, mas polícia mesmo, nada. Já vi gente sendo assaltada aqui e ninguém faz nada. O posto da PM tá reformado, mas não tem polícia”, destacou.

A Praça Veiga Cabral foi reinaugurada dia 24 de junho com memoriais, rampa de acesso e piso tátil. O espaço faz parte da história de Macapá e conta com a primeira pedra de Manganês trazida à Macapá pelo engenheiro Mário Cruz das minas de Serra do Navio, em 1946.

Compartilhamentos