Compartilhamentos
CÁSSIA LIMA
Com 13 deputados presentes dos 24, a Assembleia Legislativa do Amapá (Alap) elegeu na manhã desta terça-feira, 6, os seis cargos para a mesa diretora do biênio 2017/2019, que até segunda decisão judicial será presidida pelo deputado Kaká Barbosa (PT do B).
A eleição ocorreu no plenário da Assembleia sem grandes mudanças, elegendo por unanimidade o deputado Augusto Aguiar (PMDB) como 1º vice-presidente, a deputada Luciana Gurgel (PMDB) para ser 2ª vice-presidente, o deputado Jaci Amanajás (PV) como 1º secretário, o deputado Jori Oeiras (PRB) como 2º secretário, o deputado Paulo Lemos (PSOL) como 3º secretário, e o deputado Jaime Perez (PRB) como 4º secretário. 
Num eventual novo afastamento de Kaká Barbosa, quem assumirá o comando da Alap automaticamente será Augusto Aguiar, que nos bastidores já se articulava para ser presidente.
Deputada Luciana Gurgel vota e continua na mesa diretora de 2017. Fotos: Cássia Lima

Deputada Luciana Gurgel vota e continua na mesa diretora de 2017. Fotos: Cássia Lima

“Foi uma eleição democrática onde votamos cargo por cargo e não chapa por chapa. Vamos respeitar a eleição do deputado Kaká e a decisão da justiça do Amapá que diz respeito a presidência da mesa”, frisou o atual presidente da Assembleia, deputado Jaci Amanajás se referindo à nova eleição para o presidente da mesa que foi parar na justiça.
Por enquanto, a decisão do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap) mantém Kaká na presidência na mesa, de acordo com a eleição antecipada que ocorreu dia 31 de março deste ano, quando o deputado presidia a Assembleia.
Atual presidente vota: Eleição escolheu apenas os demais membros da mesa diretora que, por enquanto, deve ser comandada por Kaká Barbosa em 2017

Atual presidente vota: eleição escolheu apenas os demais membros da mesa diretora que, por enquanto, deve ser comandada por Kaká Barbosa em 2017

O presidente Kaká e os eleitos tomam posse no dia 2 de fevereiro de 2017 e seguem no cargo até 31 de janeiro de 2019, isso se não houver mais uma reviravolta na briga pelo comando da Alap.
Logo após a sessão, o presidente da casa ainda respondeu a perguntas sobre se a ausência de 11 parlamentares na votação desta manhã significava algum racha entre os deputados. Ele disse que cada parlamentar tem que responder por seus atos.
Compartilhamentos