Compartilhamentos

SELES NAFES

O Ministério Público do Amapá ofereceu denúncia contra a deputada federal Josi Rocha (PTN-AP), atual presidente da Federação das Indústrias do Amapá (Fieap), por improbidade administrativa. Ela é acusada de beneficiar uma irmã com cargo de diretora na entidade onde recebia salário superior a R$ 21 mil.

“O salário só era menor que o da irmã presidente”, comenta o promotor de Justiça responsável pelas investigações, Afonso Pereira, que pediu na ação civil pública a devolução ao erário de mais de R$ 58 mil, valor referente ao excedente pago.

O MP foi informado oficialmente que a irmã da deputada ainda foi condenada em 2015 por litigância de má fé na Justiça do Trabalho, onde movia ação para receber indenização pelos meses em que atuou como diretora da Fiepa. Ou seja, além de perder a ação, ainda foi condenada. 

E não foi só ela o único parente beneficiado, segundo o Ministério Público. Outro irmão da deputada, que também ocupou cargo de direção na entidade, também está sendo investigado.

Ainda de acordo com a denúncia feita pelo MP, existem outras irregularidades na situação da irmã. Além do super salário, ela não tinha qualificação para o cargo.

“O cargo exigia curso superior e ela não tinha em área alguma”, revela o promotor.

Em dezembro de 2013, a irmã/diretora também teria recebido o salário referente ao mês anterior, quando ela ainda nem estava nomeada para a função.

Como se trata de crime de improbidade, por mais que se trate de uma deputada federal, a ação pode tramitar normalmente em 1ª instância, ou seja, em uma vara comum. 

O Portal SELESNAFES.COM fez contato com a assessoria de imprensa da deputada Josi Araújo, mas não houve resposta.

Compartilhamentos