Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Mototaxistas lotaram as galerias da Câmara Municipal de Macapá na manhã desta sexta-feira (12), durante audiência pública. Eles estavam pleiteando a regulamentação do transporte e o combate à clandestinidade. Os profissionais legalizados cobram fiscalização da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac).

Os motoristas fecharam com motos a Avenida FAB, em frente ao parlamento municipal, entre as ruas Odilardo Silva e Eliezer Levy. De acordo com o Sindicato dos Mototaxistas do Amapá, existem 2.005 (dois mil e cinco) profissionais legalizados no Estado.

Motos foram estacionadas no meio da Avenida FAB. Fotos: Cássia Lima

“Nós precisamos da regulamentação municipal da portaria. Procuramos que os vereadores pressionem o prefeito para que ele sancione a lei. Nós perdemos muito com o clandestino que tira a renda do mototáxi legalizado”, destacou o presidente do sindicato, Edilson dos Anjos.

A lei é um projeto de uma antiga gestão da prefeitura que autoriza a apreensão dos veículos que possam ser flagrados em transporte clandestino. Atualmente, a Código de Transito Brasileiro permite apenas uma multa e pontos na carteira do motorista. A mudança viria com uma lei municipal.

Edilson dos Anjos: clandestinos tiram renda dos legalizados

“Estamos ouvindo os trabalhadores, mas já temos como pauta o pleito junto ao prefeito da sanção do projeto. Além disso estamos pensando em estratégias para aumentar a fiscalização contra os clandestinos”, frisou o presidente da CTMac, André Lima.

A audiência ouviu os profissionais e também os órgãos como a Guarda Municipal, Polícia Militar e CTMac. A proposta é que todas as pautas, especialmente da legislação seja levada ao prefeito para sanção.

Audiência foi convocada pelo vereador Caetano Bentes (PSC)

“Todos perdem com os clandestinos. Perde o poder público, já que eles não pagam impostos, eles tiram os clientes dos mototaxistas e a população corre riscos já que existem casos dos “piratas” serem assaltantes e estupradores”, frisou o organizador da audiência, vereador Caetano Bentes (PSC).

Compartilhamentos