Compartilhamentos

SELES NAFES

O procurador geral do Estado, Narson Galeno, rebateu, nesta terça-feira (23), a insinuação do ex-governador Camilo Capiberibe (PSB) de que a ação de improbidade movida contra ele pela PGE é, na verdade, um ato direcionado por alguém que é de confiança do atual governador Waldez Góes (PDT). Galeno criticou o comentário, e lembrou que, na verdade, é procurador de carreira da PGE.

A PGE exerce o papel de advogado do Estado, e tem um quadro formado por mais de 30 procuradores concursados. Durante a gestão de Camilo Capiberibe, no entanto, o órgão era dirigido por advogados de fora da instituição, lembrou Galeno.

“A ação foi um ato de profissionalismo de um procurador concursado, ao contrário dele (Camilo) que preferia nomear advogados particulares e do partido dele para comandar a PGE”, disparou.

A ação de improbidade movida pela PGE contra o ex-governador questiona a compra de passagens sem processo de licitação na Secretaria de Turismo do Estado (Setur). A ação foi recebida em primeira instância por determinação do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap)

Após essa decisão, o ex-governador se posicionou afirmando que não era responsável pelas aquisições na Setur, já que o governo trabalha com a descentralização administrativa. Além disso, ele relacionou com ironia a ação da PGE com a rivalidade política que possui com o atual governador.

Compartilhamentos