Estudantes lavam pátio do Setap em ato contra o aumento da tarifa

Manifestação levou às ruas alunos de 10 escolas de Macapá, segundo a Uecsa
Compartilhamentos

Por RODRIGO ÍNDIO

Com o novo valor na tarifa dos ônibus de Macapá entrando em vigor nesta quinta-feira (15), estudantes utilizaram água, vassouras e sabão em pó e realizaram uma “limpeza” na entrada do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amapá (Setap). Inconformados com o reajuste para R$ 3,50, cerca de 800 jovens caminharam pelas ruas do Centro da capital num protesto contra a nova tarifa.

A manifestação saiu por volta das 15h30, da frente da Escola Estadual Tiradentes, seguiu pela Avenida FAB, parou em frente aos prédios do Fórum de Macapá, Escola Estadual Gabriel de Almeida Café, Câmara Municipal de Macapá e terminou em frente a sede do Setap.

Estudantes percorreram o Centro de Macapá. Fotos: Rodrigo Índio/SN

 

Valor da tarifa é considerado abusivo pela Uecsa

Com o apoio de um trio elétrico e de uma banda marcial formada por alunos, os manifestantes tinham o grito de ordem: “mãos ao alto, a tarifa é um assalto”. Em meio a juventude, encontramos o aluno da escola Rivanda Nazaré, Marcelo Carvalho, que precisa utilizar ônibus pelo menos quatro vezes ao dia. Para ele, a situação é agravante e é preciso protestar.

“Trabalho de manhã, estudo de tarde e faço curso de noite, pense só no gasto. É uma vergonha do Setap e da justiça promover esse aumento. É um valor caro pra um serviço péssimo. Vim participar porque podem não mudar a decisão, mas não ficarei omisso”, disse.

Em frente ao Fórum, decisão da justiça que autorizou o aumento foi criticada

 

Estudante Marcelo Carvalho: tarifa cara e serviço péssimo

Já Carolina Uchôa, é aluna na escola Antônio Ferreira Lima Neto e junto com os amigos participou do ato. A estudante enfatizou a questão das famílias de baixa renda serem as mais prejudicadas com o aumento.

“Muitos pais não sabem o que vão fazer porque tem uma renda mensal de um salário mínimo. Vão precisar que seus filhos estudem e com esse reajuste vai pesar no orçamento. Só sabe quem sente na pele esse desrespeito. Mais da metade de Macapá anda de ônibus e precisa manifestar sim por seus direitos”, comentou.

Carolina Uchôa (ao centro) protestou junto com os colegas: aumento pesa no orçamento

Além do aumento, os manifestantes reivindicaram melhorias na frota do transporte coletivo, que é considerada “sucateada” pela União dos Estudantes dos Cursos Secundários do Amapá (Uecsa). Conforme Rehnan Santos, presidente da Uecsa, a manifestação foi composta por alunos de dez escolas estaduais. Ele avalia o ato como positivo.

“A mobilização de apenas 2 dias foi um sucesso, os estudantes ouviram o chamado e participaram. Algumas escolas fecharam as portas, mas isso é normal no movimento. O saldo é positivo, conseguimos sair com uma agenda na CMM na terça-feira, 20, para poder discutir lá dentro esse reajuste. Lavamos aqui como alusão a limpar toda a sujeira que existe no Setap”, disse Rehnan.

Rehnan Santos (Uecsa): ato reuniu 10 escolas de Macapá

 

Manifestantes ocuparam a entrada do Setap…

 

… e, de forma pacífica, limparam a calçada do prédio como protesto

O protesto foi organizado após a decisão da 3ª Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá que atendeu pedido do sindicato das empresas e concedeu aumento da tarifa de ônibus da capital de R$ 3,25 para R$ 3,50. O novo valor passou a vigorar nesta quinta-feira, 15.

Na chegada ao Setap, uma equipe de seguranças impediu a entrada das pessoas na área interna do prédio. O ato aconteceu de forma pacífica e contou com o apoio da Polícia Militar.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!