Compartilhamentos

A menos que a Justiça tome uma outra decisão, Osmar Firmino Costa Normand (foto acima), de 18 anos, responderá pelo assassinato do primo Raoni Almeida Ramos, de 20 anos, em liberdade. Ele foi apresentado à polícia pelo advogado criminalista Maurício Pereira no dia 24 de abril, mas a informação só foi divulgada nesta terça-feira, 29, durante o velório de Raoni.

Na 1ª Delegacia de Polícia do bairro Nova Esperança, Osmar Firmino admitiu ter cometido o crime, mas argumentou que foi agredido pelo primo durante uma suposta briga. Ele apresentou fotos tiradas de seu rosto que provariam que ele foi lesionado por Raoni. “Ele estava com o rosto desfigurado e isso foi comprovado pela Polícia Técnica que realizou o exame de corpo de delito”, argumentou o advogado Maurício Pereira.

O advogado informou que amigos dos dois primeiros irão depor relatando que houve uma briga antes do homicídio. Os depoimentos poderão ajudar na defesa, que afirmará que o rapaz agiu sobre influência da emoção após ter sito agredido pelo primo. Como é réu primário e por ter se apresentado espontaneamente ao delegado responsável pelo caso Francisco Roberto Martins, é possível que a polícia não peça a prisão preventiva do acusado.

Para a família de Raoni, essa briga não aconteceu. Segunda dona Maria de Nazaré, mãe da vítima o único desentendimento aconteceu após a final do campeonato carioca, após as brincadeiras entre torcedores de times rivais.

O advogado informou ainda que Osmar Firmino ficará morando na casa de parentes no município de Porto Grande, até que o caso seja julgado. Pereira disse que a mudança para outra cidade foi necessária porque o acusado estava sendo ameaçado de morte. A casa em que ele morava no KM-9 próximo a BR-210, teria sido destruída por amigos e outros parentes de Raoni.

Compartilhamentos