Compartilhamentos

Este ano, 97 armas de fogo já foram apreendidas pela Polícia Militar em todo o Estado. Esse número equivale a quase uma apreensão a cada dois dias. No ano passado, 355 armas foram retiradas das ruas, quase uma por dia. Isso sem falar das operações da Polícia Civil que também resultam em apreensões de material bélico. Por outro lado, enquanto algumas são recolhidas, ninguém sabe calcular quantas armas estão entrando no Estado.

Em 2013 foram 355 apreensões pela M

Em 2013 foram 355 apreensões pela PM

A última apreensão aconteceu durante um assalto na noite de terça-feira 23. Uma pistola foi apreendida com os dois assaltantes que também foram presos. Mas a grande dificuldade é evitar que as armas cheguem nas mãos dos bandidos, o que pode ocorrer de várias maneiras. Na segunda-feira, 21, por exemplo, um policial teve o carro roubado. O veículo foi abandonado no bairro Infraero II sem a arma do PM que ficava guardada no porta-luvas.

Para a Polícia Militar, é impossível fazer um controle maior por uma série de fatores. “A nossa principal dificuldade é fiscalizar os portos clandestinos que são meios de entrada de armas em Macapá e Santana. Também não existe um controle mais eficiente nos portos legalizados. Então, esses armamentos podem entrar facilmente no estado”, explicou tenente Emerson Real, da diretoria de comunicação da PM.

Armas podem estar por portos clandestinos ou pela fronteira

Armas podem estar por portos clandestinos ou pela fronteira

Mas existem outras maneiras das armas caírem nas mãos de criminosos. No ano passado, muitos assaltos a vigilantes em postos de saúde e escolas resultaram em um grande número de armas roubadas.

O certo é que cada vez mais os bandidos estão usando armas de fogo em suas ações. Segundo os boletins de ocorrência, 90% dos assaltos são realizados com esse tipo de armamento. O uso de armas falsas também está ficando comum. “Há também um grande número de simulacros (armas falsas) usados nessas ações. Os infratores simulam o uso de arma com outros objetos, uma ação que tem o mesmo impacto psicológico sobre a vítima”, acrescentou Real.

Armas de uso restrito da polícia também estão sendo usadas por bandidos

Armas de uso restrito da polícia também estão sendo usadas por bandidos

Para a PM não há como fazer um controle maior se não há uma ação integrada com todos os órgãos da força policial do Amapá. Por isso, ao mesmo tempo em que são apreendidas, muitas outras as armas estão entrando no estado ou sendo roubadas de policiais e vigilantes.

 

Compartilhamentos