Compartilhamentos

Nesta terça-feira, 6, a Defesa Civil do Amapá emitiu um novo alerta de alagamentos. O aviso diz respeito ao município de Serra do Navio, que sofreu uma pequena variação no volume do rio Amapari que acabou inundando algumas comunidades. Pelo menos cinco famílias já estão desabrigadas.

Essa realidade já atingiu outros municípios que também entraram em alerta por conta do aumento das chuvas e do nível dos rios. Um exemplo foi Ferreira Gomes, onde três famílias foram desalojadas e outras 100 correm risco de serem atingidas. A região do Jari foi a primeira cidade a receber o alerta da Defesa Civil este ano. Os moradores ainda temem que as chuvas que caem nas cabeceiras do Rio Jari possam trazer prejuízos.

Imagens do Instituto de Hidrometeorologia

Imagens do Instituto de Hidrometeorologia. Áreas em azul mais escuro mostram sistemas de chuvas sobre a Região Amazônica

Os moradores do município de Calçoene foram que mais sofreram até agora com as chuvas. Pelo menos 80 famílias foram atingidas, mas a maioria se recusa a sair de casa. A situação ficou tão preocupante que nesta terça-feira, 6, a prefeita Maria Lucimar entregou à Defesa Civil e ao governador Camilo Capiberibe cópia de um Decreto de Situação de Emergência. No documento a prefeita pede ajuda para conseguir atender as famílias atingidas.

Serra do Navio. Por enquanto poucas famílias desabrigadas

Serra do Navio. Por enquanto poucas famílias desabrigadas

A situação em praticamente em todos os municípios vem se agravando porque as chuvas não cessaram. Em Macapá a Defesa Civil já emitiu alguns alertas à população sobre possíveis inundações em vários pontos da cidade. Porém, para o Núcleo de Hidrometeorologia do IEPA, essa situação deve melhorar, pois as previsões apontam para uma queda substancial no volume de chuvas para o mês de maio em todo o Estado.

De acordo com os meteorologistas, a partir desta semana a tendência é que as chuvas diminuam. “Apesar das pessoas acharem que no momento as chuvas estão mais torrenciais, a meteorologia aponta que as chuvas vão diminuir com uma estimativa de menos de 400 milímetros para todo o mês de maio. Uma estimativa baixa comparada aos meses de março e abril, quando os picos atingiram mais 450 milímetros de chuvas”, esclareceu o meteorologista Daniel Neves.

Ferreira Gomes: Araguari já chega quase no calçadão da orla da cidade

Ferreira Gomes: Araguari já chega quase no calçadão da orla da cidade. Foto enviada por morador da região

Outro fator determinante para que as chuvas de 2014 não atinjam grandes picos é a ausência do fenômeno La Niña, que costuma aumentar as chuvas na Região Norte. “Ainda vai chover um pouco mais no início deste mês. Porém, nada alarmante, pois até junho o volume deve diminuir e ficar estável em todo o Estado.

Para Macapá, a previsão é ainda melhor do que para os outros municípios, pois a capital já começou a apresentar uma redução no volume das chuvas se comparado com os primeiros cincos dias de março ou abril. O clima deve se estabilizar até o início do verão, quando as chuvas param consideravelmente. “Março e abril são meses mais chuvosos. Portanto, a população deve tranquila que a previsão é uma redução no volume de chuvas nas próximas semanas”, enfatizou o meteorologista.

 

Compartilhamentos