Compartilhamentos

“Ele não aceitava o fim do relacionamento e mostrava que poderia fazer alguma coisa contra mim. Por isso pedi na Justiça uma medida de proteção, mas não deu muito certo”, contou Gisele Freitas, que passou cerca de duas horas sob a mira do revólver calibre 38 do ex-marido Mardones Araújo, de 28 anos. O casal estava separado há dois meses.

refém

Momento em que o Bope estava em negociação com o sequestrador

Segundo Gisele, o relacionamento dos dois chegou ao fim porque Mardones tinha um sentimento de posse fora do comum. “Ele era muito ciumento e a cada crise de ciúmes parecia mais descontrolado. Fiquei com medo que ele pudesse fazer algo contra mim”, contou.

refém2

Gisele conversou com o SelesNafes.com antes de conceder depoimento ao Delegado

Mesmo depois da separação Mardones continuava a rondar a casa de Gisela e o seu trabalho. Segundo os familiares dela, o rapaz passou um mês em Goiania passando férias, e quando retornou a primeira pessoa que procurou foi a ex-mulher.

Gisela estava saindo da loja onde trabalha para almoçar quando foi surpreendida pelo ex-marido. Ela ainda tentou argumentar, dizendo que não falaria com ele. Foi nesse momento que o rapaz sacou o revolver calibre 38 e a manteve como refém na Rua Tiradentes, no centro de Macapá.

BOPE NEGOCIA RENDIÇÃO

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi logo chamado para iniciar a negociação com Mardones. O Corpo de Bombeiros e uma ambulância também estavam no local. Um policial perguntou a ele se o revólver estava carregado. A resposta foi o disparo de dois tiros para o alto. O Tenente Eliabe Marques, do Bope, foi o negociador.

Tenente Eliabe Marques

Tenente Eliabe Marques contou que em casos de crimes passionais a negociação é mais crítica, já que o sequestrador não tem maiores exigências

O caso requeria destreza por parte do negociador já que Mardones não fazia nenhuma exigência. “Geralmente quando há reféns em um assalto, por exemplo, os sequestradores exigem advogados e a presença da imprensa, mas nessa situação a realidade era outra. Mardones não fazia exigências que nós pudéssemos garantir. Ele queria o retorno da ex-mulher e isso fugia do nosso alcance”, explicou o tenente Marques.

Arma usado por Mardones

Arma usada por Mardones

Durante a negociação, Mardones pedia beijos da ex-mulher e passava a arma pela própria cabeça e na cabeça de Gisele. Ele dizia que ambos não sairiam com vida daquela situação. Porém, depois de duas horas de muita conversa, o rapaz decidiu se entregar. Foi imobilizado pelos policiais e encaminhado para o Ciosp Pacoval, onde prestou depoimento ao delegado de plantão.

Gisele foi levada para o Hospital de Emergência e logo foi liberada para comparecer ao Ciosp e prestar depoimento. Mardones será encaminhado para o Iapen onde vai aguardar a chamado da Justiça.

Texto e Fotos: Anderson Calandrini

Compartilhamentos