Compartilhamentos

Funcionários de duas empresas de ônibus que paralisaram as atividades no início desta semana não serão mais demitidos. A decisão foi tomada na tarde desta sexta-feira, 27, pela direção das empresas em reunião com o deputado estadual Pedro da Lua (PSC).

Os quatro funcionários foram acusados de vandalismo depois de filmados por câmeras de segurança lacrando portões das garagens com correntes, numa tentativa de impedir a entrada de funcionários durante a paralisação em protesto pelo atraso no pagamento de salários nas empresas Siãothur e União. Eles também teriam coagido funcionários que não queriam aderir ao movimento de paralisação.

Os funcionários foram afastados das funções para a abertura de um procedimento disciplinar que resultaria nas demissões. O presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Públicos do Amapá (Setap), Décio Melo, que pertence à direção das duas empresas, confirmou que os funcionários estavam sendo investigados. “Imagens foram analisadas e decidi afastar esses trabalhadores enquanto apurávamos as responsabilidades”, afirmou.
 
O deputado Pedro da Lua pediu que os trabalhadores não sejam demitidos, e argumentou que reconhece as dificuldades relacionadas à defasagem tarifária e ausência do poder público municipal numa política séria de transporte coletivo, mas também reconhece que o movimento dos rodoviários é legítimo.

Décio Melo assumiu o compromisso de não demitir os trabalhares e de reintegrá-los às suas atividades na próxima semana.

Compartilhamentos