Compartilhamentos

A morte de um adolescente de 17 anos baleado na empresa onde era aprendiz culminou no protesto de familiares na Praça da Bandeira, no Centro de Macapá. A história também foi levada para a tribuna da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Pedro da Lua (PSC).

Há poucas informações sobre as circunstâncias do crime ocorrido no dia 10 de dezembro passado. Jairo Pereira Rocha Júnior estava internado no Hospital de Emergência, e precisava de uma tomografia para determinar a gravidade das lesões. Sem o equipamento no HE, o jeito foi transferir o rapaz para uma clínica particular onde o exame foi realizado.

O problema é que toda essa movimentação demorou para ocorrer. Quando o resultado do exame foi divulgado, ficou constatado que nenhum órgão vital tinha sido perfurado pelo projetil, mas o intestino e o baço do rapaz estavam comprometidos. Jairo acabou morrendo devido a uma hemorragia interna, entre outras complicações. “Neste momento, enquanto discurso nesta tribuna, a família do jovem Jairo Junior está na Praça da Bandeira, chorando seu morto. Se o governo anterior tivesse levado mais a sério a saúde, ele poderia ter sido salvo”, atacou.

Pedro Da Lua disse que conversou com o secretário de Saúde do Estado, Pedro Leite, que teria dado uma garantia: para cada R$ 1 gasto com a realização do Carnaval, o governo investirá outros R$ 3 na rede hospitalar. Esta semana, deputados estiveram no Hospital de Clínicas Alberto Lima e na Unacom, a unidade que atende pacientes em tratamento de câncer.

Compartilhamentos