Compartilhamentos

Depois de paralisar por uma semana em janeiro por falta de monitores, o Museu Sacaca concluiu nesta terça-feira, 3, o curso de qualificação profissional para 19 monitores. Os profissionais receberam orientações sobre a história de cada espaço do Museu. Os novos monitores foram contratados emergencialmente pelo Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (IEPA). Os profissionais já devem fazer atendimento ao público a partir da próxima quinta-feira, 5.

Atualmente o Museu Sacaca possui 18 monitores e 10 técnicos. Com a capacitação dos monitores, o espaço continuará funcionando no horário de visitação das 9  às 18 horas de terça a sexta. Sábados, domingos e feriados de 9 às 13 horas e das 14 às 18 horas.

Monitores na última aula do curso ministrado no Museu Sacaca

Monitores na última aula do curso ministrado no Museu Sacaca

O curso foi ministrado por técnicos do próprio Iepa que explanam sobre a história e cultura da Casa dos Ribeirinhos, Casa dos Castanheiros, Monumento Marabaixo, Casa da Farinha, Casa dos Waiãpi, Praça das Etnias e a Praça do Sacaca. “Todo conceito cultural e tradicional que permeia a vida dos ribeirinhos é passado aos monitores. Esse processo de mediar informação é constante. Em breve o Museu voltará a realizar mais capacitações”, adiantou a técnica do Iepa, Maria Betânia Lima.

Os novos monitores deverão estar prontos para receber o público na próxima quinta-feira, 5. Eles serão responsáveis por mostrar a cultura amapaense aos turistas que costumam frequentar o espaço. “Nós aprendemos a parte mais tecnológica que o Museu oferece. Apesar de ter um conhecimento ribeirinho, o curso nos mostra a vida mais simples e ambiental dos ribeirinhos, sem esquecer da arqueologia e tecnologia”, ressaltou o monitor Hudson Marques.

Segundo a direção do Museu, a próxima fase do curso será uma viagem a comunidades do interior para que os servidores aprimorem seus conhecimentos sobre o espaço ribeirinho de forma experimental.

Compartilhamentos